Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013
As sessões do nosso projeto - "A ilha das letras"

Começámos o nosso projeto de seminário de investigação no dia 18 de novembro e terminamos no dia 4 de dezembro. Foram realizadas duas sessões por semana, sempre à segunda e quarta-feira à tarde. Inicialmente tínhamos pensado em “trabalhar” com o grupo de crianças dos 4 anos, visto que achávamos que as atividades não estavam adaptadas e apropriadas para a faixa etária dos 3 anos e as crianças dos 5 anos, no geral, apresentavam alguma dificuldade de concentração e raramente se implicavam nas atividades. Durante a primeira sessão, surgiu um grupo diferente, devido ao interesse e entusiasmo manifestado pela atividade e assim se formou o grupo de recolha de dados – “Os descobridores da ilha das letras”. Este grupo é constituído por nove crianças, com idades compreendidas entre os 4 e os 5 anos. Para cativar ainda mais este grupo elaborámos cartões de identificação individual, que cada um preencheu e todas as sessões colocava ao pescoço. De forma a aumentar o sentido de responsabilidade das crianças, elaborámos também uma grelha de presenças, que é assinada por cada uma no fim de cada sessão.

De uma forma geral, as sessões têm superado as nossas expetativas a todos os níveis. É visível um crescente empenho das crianças de sessão para sessão, o que se tem vindo a refletir nas conclusões a que estas vão chegando. Inicialmente, os objetivos pretendidos com as atividades nem sempre foram alcançados pelas crianças, no entanto, estas iam fazendo as suas descobertas e, através dos comentários assertivos realizados pelas mesmas, foi possível constatarmos que as atividades estavam a ser bem encaminhadas.

Neste momento, estamos bastante contentes com o resultado das sessões e apesar de ainda não termos analisado a totalidade dos dados, estamos cientes que os resultados confirmarão as nossas expetativas em relação à resposta às questões de investigação.

 

Beijinhos,

Joana Martins e Susana Fernandes


tags: , , , ,

publicado por joanarmartins às 19:46

13

De ssd a 3 de Dezembro de 2013 às 22:03
Boa noite meninas...

Queria deixar-vos algumas questões sobre o vosso projeto.
O grupo de nove crianças com quem desenvolveram o vosso projeto foram escolhidas aleatoriamente ou definiram alguns critério para a sua escolha?

O que fazem as restantes crianças enquanto implementam o vosso projeto? Nunca demonstraram interesse em também participar?

Sei que a vossa temática comum é a sensibilização à diversidade linguística. Que línguas trabalharam?

Um aspeto que me despertou a atenção no vosso post foram os cartões de identificação e a grelha de presenças. Assim como referiram são recursos que que motivam as crianças e que aumentam a sua responsabilidade. Penso que sejam boas estratégias.

Beijinho e continuação de um bom trabalho!

Sabrina Duarte


De joanarmartins a 10 de Dezembro de 2013 às 16:56
Olá Sabrina!
Em relação à tua pergunta de como o grupo de nove crianças surgiu, tal como referimos, foi o grupo de crianças que mais interesse demonstrou na primeira sessão em que lemos uma história para todo o grupo.
Enquanto implementamos o nosso projeto, as restantes estão na sala, com a educadora e a assistente operacional. Não planificamos atividades para elas visto que a educadora sempre nos disse que não era necessário, que se era ela que estava na sala, ela própria orientava a dinâmica da mesma. Relativamente à questão sobre o interesse das outras crianças em participar nas sessões, nunca demonstraram esse interesse, porque as sessões sempre foram realizadas num espaço diferente da sala - biblioteca e exterior -, daí elas não estarem a acompanharem o projeto e por isso não manifestarem interesse em participar.
As línguas que trabalhámos no projeto foram o português, o japonês e o árabe.
Quanto aos recursos que adotámos são pequenos estímulos para implicar e envolver as crianças nas atividades. Revelaram-se boas estratégias. Estas estratégias não estavam idealizadas mas surgiram a partir da primeira sessão. E tu no teu projeto utilizaste algum recurso para estimular as crianças? Se sim, qual? Agora que já terminaste, qual o balanço que fazes?

Beijinhos,
Joana Martins e Susana Fernandes


De mrmo a 4 de Dezembro de 2013 às 22:49
Olá meninas :)

A implementação do vosso projeto de intervenção e de investigação durava a tarde toda ou só uma parte da tarde?

Gostaria de saber se notam uma evolução ao nível da concentração por parte das crianças de cinco anos que integram o grupo “Os descobridores da ilha das letras”, pois referiram que inicialmente não iam trabalhar com estas crianças porque no geral apresentavam alguma dificuldade de concentração.

O grupo “Os descobridores da ilha das letras” apresentarão no final ao restante grupo o que têm desenvolvido convosco? Ou têm partilhado informações diariamente com todo o grupo?

Considero que a utilização de cartões de identificação individual e da grelha de presenças foram estratégias importantes para aumentar os níveis de implicação das crianças e para promover a responsabilização das crianças pelo que estavam a desenvolver.

Continuação de um bom trabalho !
Beijinho.
Márcia Oliveira


De joanarmartins a 10 de Dezembro de 2013 às 17:19
Olá Márcia!
Inicialmente a implementação do nosso projeto não estava prevista para durar a tarde toda (13h40m - 15h), no entanto e visto que as crianças participavam ativamente e com interesse nas atividades propostas, as sessões prolongavam-se sempre mais do que o previsto. As crianças trocavam constantemente ideias entre elas, e nós deixávamos que as próprias explorassem livremente, fazendo elas assim as suas descobertas. Daí o prolongamento das sessões.
Em relação aos níveis de concentração das crianças de 5 anos notámos uma evolução que nos surpreendeu pela positiva. Verificámos que o tema e as atividades propostas iam ao encontro dos interesses da maioria das crianças do grupo de descobridores e pensamos, por isso, que este tenha sido o fator fundamental e que despoletou todo o interesse demonstrado pelas crianças.
Relativamente à questão relacionada com a partilha das atividades desenvolvidas, não existiu nenhum momento premeditado em que as crianças do grupo de descobridores partilhassem as descobertas realizadas, no entanto existiam comentários entre eles acerca das línguas que, segundo palavras deles, estavam a "aprender".

Beijinhos,
Joana Martins e Susana Fernandes


De baptista a 5 de Dezembro de 2013 às 11:53
Olá meninas :)

Fico contente por vocês estarem contentes com o resultado das vossas sessões.
Todavia, gostaria de saber, se as sessões implementadas eram em díade, ou cada elemento implementava as sessões, tendo em consideração a sua semana de intervenção.

Existe uma partilha daquilo que foram desenvolvendo às crianças que não fizeram propriamente parte da implementação do vosso projeto?

O que vos levou a mudar de ideias em relação às crianças com as quais iriam trabalhar?

Continuação de bom trabalho.

Beijinho.

Sandra Baptista.


De joanarmartins a 10 de Dezembro de 2013 às 17:23
Olá Sandra!
A implementação das sessões sempre foi realizada em díade, visto que o nosso tema é o mesmo, os dados recolhidos por cada uma é que diferem, e aí, claro, cada uma recolhe os seus.
Relativamente à partilha das atividades das sessões, tal como já respondemos à Márcia, não existiu um momento premeditado para essa partilha mas existia, em situações informais, partilha de informações acerca das línguas com que as crianças do grupo de descobridores estavam a contactar.
Relativamente à mudança do grupo de criança com o qual íamos trabalhar, tal como também já referimos, essa mudança surgiu durante a primeira sessão, devido ao interesse demonstrado por outras crianças em relação ao tema das diferentes línguas.

Beijinhos,
Joana Martins e Susana Fernandes


De carolina-dias a 6 de Dezembro de 2013 às 01:27
Olá meninas :)

obrigada por partilharem o que realizaram relativo ao vosso relatório de estágio. Depreendo, através do que disseram, que tiveram que ir para o contexto também às 4f à tarde, porque optaram por realizar nestes dois dias? Não conseguiam com os dias de estágio estipulados?
Disseram que "as crianças dos 5 anos, no geral, apresentavam alguma dificuldade de concentração e raramente se implicavam nas atividades.", trabalharam estas questões de concentração e implicação' De que forma?
Como surgiu o nome do vosso projeto?
"elaborámos também uma grelha de presenças, que é assinada por cada uma no fim de cada sessão.", como é que as crianças assinam? Como preenchem os cartões de identificação?
Ainda bem que tudo correu dentro do que esperavam, mas alteravam alguma coisa? Agora que têm uma visão após a realização de tudo.

Continuação de bom trabalho :)

Beijinho, Carolina.


De joanarmartins a 10 de Dezembro de 2013 às 17:35
Olá Carolina!
Tivemos de ir para o contexto à quarta-feira à tarde devido a uma troca de horário que fizemos. Uma vez que na terça-feira de manhã as crianças têm piscina, em reunião com a educadora, achámos por bem deixar de ir nesse dia de manhã à instituição e passar a ir à quarta à tarde para compensar. Esta troca não teve diretamente a ver com o projeto, desde a segunda semana que estamos na instituição que a fizemos.
Relativamente às questões de implicação e concentração, estas foram sendo trabalhadas por nós, de forma subtil e sempre recorrendo ao brincar. Realizámos, por exemplo, jogos que implicaram o desenvolvimento dos sentidos, em que para adivinhar algo as crianças tinham de estar em silêncio, concentrados e atentos.
O nome do nosso projeto surgiu através da história que elaborámos e que apresentámos às crianças na primeira sessão.
Relativamente ao preenchimento dos cartões de identificação e da grelha de presenças, as crianças assinavam escrevendo o seu nome (todas já o sabiam fazer).
Revendo agora o nosso percurso, não existe nada concreto que gostássemos de alterar, os aspetos que não foram tão bem conseguidos fazem parte da nossa aprendizagem. Estamos bastante satisfeitas com os resultados das crianças e com o desenvolvimento que notámos ao longo das sessões, tal como também estamos satisfeitas com o nosso trabalho. E tu? Alteravas alguma coisa no teu projeto?

Beijinhos,
Joana Martins e Susana Fernandes


De ana-resende a 6 de Dezembro de 2013 às 20:08
Olá meninas :)

Antes de mais quero dar-vos os parabéns pelo vosso projeto e dizer-vos que fico contente por este estar a corresponder às vossas expectativas e terem alcançado os objetivos que pretendiam :)
Contudo, gostava de saber o que pretendiam fazer com as sessões que planearam? E, quais as questões são as vossas questões de investigação?

Continuação de um bom trabalho,
Ana Resende


De joanarmartins a 10 de Dezembro de 2013 às 17:41
Olá Ana!
Com as sessões que planeámos pretendíamos permitir às crianças contactar com línguas diferentes da portuguesa, que estas descobrissem o princípio alfabético, que percebessem que existem várias formas de escrever uma palavra e todas essas formas querem dizer a mesma coisa, ou seja, que uma palavra pode estar escrita em português, em japonês, em árabe, que quer dizer sempre a mesma coisa. No fundo, era que descobrissem que existem outras formas de escrita, ou melhor, outros sistemas de escrita diferentes do nosso.
A questão de investigação da Joana é: "Como é que o contacto com diferentes sistemas de escrita potencia a compreensão do princípio alfabético?". A questão de investigação da Susana é: "Como é que os gestos de escrita potenciam a compreensão do princípio alfabético?".

Beijinhos,
Joana Martins e Susana Fernandes


De ana-resende a 12 de Dezembro de 2013 às 19:45
Olá meninas :)

Obrigada pela vossa resposta :)

Desde já quero vos dizer que considero as vossas questões de investigação muito pertinentes e interessantes. Como é que surgiram?
Gostava de saber, também, se conseguiram recolher dados suficientes que respondessem às respetivas questões? A que conclusão chegaram?

Beijinhos,
Ana Resende


De marisaasilva a 6 de Dezembro de 2013 às 22:59
Boa noite meninas! :)

Parabéns pelo vosso projeto e por estarem a conseguir obter os resultados esperados :)

Gostaria de saber melhor em que consistiam as vossas atividades, percebi que eram trabalhadas diferentes línguas. Estou certa? Mas de que forma?
Referem que as crianças de 5 anos não se implicavam nas tarefas e face a isto, não refletiram para tentar perceber o porquê de tais acontecimentos? Como abordaram estes comportamentos?
Enquanto o pequeno grupo de "descobridores da ilha" está a realizar as vossas atividades propostas, a restante turma realiza o quê? E não têm conhecimento daquilo que estão a trabalhar?

Continuação de bom trabalho! :)
Beijinhos,
Marisa


De joanarmartins a 10 de Dezembro de 2013 às 17:52
Olá Marisa!
Sim, no nosso projeto foram trabalhadas três línguas - o português, o japonês e o árabe. Trabalhámos à base da história que elaborámos e que apresentámos às crianças na primeira sessão, e as sessões foram sempre direcionadas para atividades de jogo e do brincar, visto que estamos em contexto pré-escolar.
Relativamente à falta de implicação das crianças de 5 anos, tentámos sempre abordar estes comportamentos indo ao encontro dos interesses das mesmas. Por exemplo, visto que as crianças adoram brincar no espaço exterior, todas as semanas planificámos atividades ao ar livre e que envolvessem atividade física, porque nos fomos apercebendo que este era um dos maiores interesses do grupo. Assim, também nas sessões do nosso projeto, tivemos em conta esse aspeto e propusemos uma atividade no exterior. Achamos que este foi um fator que contribuiu para um nível de implicação inesperado por parte de algumas crianças.
Relativamente às atividades que as restantes crianças realizam, estas ficam ao critério da educadora visto que, como é ela que fica com o grupo, sempre nos disse que não precisámos de planificar uma atividade específica para o restante grupo.

Beijinhos,
Joana Martins e Susana Fernandes


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post