Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Quarta-feira, 27 de Novembro de 2013
A Maior Flor do Mundo

 

 

Olá meninas!!

 

Vimos falar-vos e apresentar-vos o nosso projeto de intervenção referente à unidade curricular de SIEA2.

Assim sendo, este tem como temas principais a Sensibilização à Diversidade Linguística e Cultural (SDLC) e o Desenvolvimento Sustentável (DS). 

O nosso projeto partiu da leitura e compreensão da obra “A Maior Flor do Mundo" de José Saramago, sendo que através desta foi possível dar início à exploração das diferentes temáticas, ou seja, a dimensão ambiental do DS (problemas ambientais, animais em vias de extinção e plurilinguismo) e a dimensão económica do DS (Portugal na Europa e Portugal na União Europeia, consumo responsável, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e direitos linguísticos e culturais).

Como podem observar na imagem, ao longo do desenvolvimento das sessões do projeto, os trabalhos realizados pelos alunos foram expostos na sala, criando assim a ligação do nosso projeto. É visível a maior flor do mundo e o que esta representa (de acordo com a obra), onde os alunos escreveram nas suas folhas o que é possível fazer para proteger o Planeta, as flores com pétalas de diferentes cores representam a biografia linguística de cada aluno, onde em cada pétala os alunos escreveram as línguas que falam, as línguas com que já contactaram, as línguas que não gostam e aquelas que gostariam de aprender, formando assim o jardim linguístico da turma.

Em relação aos animais em vias de extinção, os alunos realizaram um trabalho de grupo, onde cada um realizou um cartaz sobre um animal em vias de extinção e, posteriormente afixou a sua imagem no seu país de origem.

Ainda no planisfério, foi localizado Portugal no Mundo, na Europa e os países que pertencem à União Europeia, assim como os países que formam a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Ao longo das nossas sessões utilizámos alguns instrumentos de recolha de dados, nomeadamente, inquérito por questionário aos alunos, a biografia linguística, notas de campo, diário das descobertas, vídeogravação e fichas de sistematização.

Os alunos têm demonstrado interesse e curiosidade acerca destas temáticas e participam ativamente na execução das atividades e durante o diálogo que é realizado com eles.  

Beijinhos e continuação de um bom trabalho! J

 

 

Carla e Márcia 



publicado por marciaandreia às 17:03

12

De ana-resende a 27 de Novembro de 2013 às 18:50
Olá meninas :)

Gostei muito do vosso post, pelo facto de nos darem a conhecer o tema da vossa tese e as atividades que têm vindo a desenvolver.
Gostava de saber se as atividades foram realizadas em conjunto para a tese de cada uma ou se planearam atividades diferentes para cada tese. E porquê?
Eu e a minha colega de estágio, planeámos as atividades em conjunto, pois conseguimos arranjar atividades que se relacionavam e que respondiam a cada temática da tese que queríamos promover, nomeadamente as competências sociais e a autoestima.
As atividades que vocês planearam tinham que obejtivo? No nosso caso, era promover aquelas competências sociais que não estavam muito bem adquiridas pelas crianças (respeito de participação; pedir desculpa; interação social, escutar o outro; importância da não-agressividade), bem como a promoção da sua autoestima.
Achei interessante começarem o vosso projeto com a leitura de uma história que acabou por ser o ponto de partida e ligação de todas as atividades que fizeram. Segundo Faria e Mello (2009, p. 7 referido por Silva, 2012) ouvir uma história tem uma importância muito grande para a criança, faz com que ela se sinta importante, sinta que alguma coisa foi feita especialmente para ela. Elias José (2007, p.60 referido por Silva, 2012) expressa que a narração é uma arte que diverte, educa, ensina, desperta a criança para o espírito ético, para a verdadeira cidadania e sobretudo a leitura literária.
Por fim, aproveito para perguntar qual a reação das crianças quando os seus trabalhos foram expostos na sala? Contribuiu para a sua motivação para continuarem a participar nas atividades?

Continuação de um bom trabalho,
Ana Resende

Referências bibliográficas:
• Silva, M. (2012). A literatura infantil como recurso para a aquisição da linguagem da criança. Campinas: XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Acedido a 27, novembro, 2013 em http://www2.unimep.br/endipe/2844p.pdf


De marciaandreia a 10 de Dezembro de 2013 às 11:59
Olá Ana Resende,
Tal como tu e a tua díade nós também decidimos planear as atividades do projeto em conjunto, uma vez que temos as temáticas gerais iguais, sendo que o que nos diferencia é que uma (Carla), no que diz respeito à Sensibilização à Diversidade Linguística e Cultural trabalhou os direitos linguísticos e culturais e a outra (Márcia) a competência plurilingue e na temática do Desenvolvimento uma focou-se mais na dimensão económica e outra na ambiental, respetivamente. Para além disso, decidimos planear em conjunto para que houvesse uma sequência lógica entre todas as sessões e para que as conseguíssemos integrar na prática pedagógica, tendo em conta os objetivos e metas propostas para este ano de escolaridade, nas diferentes áreas.
Relativamente aos objetivos do nosso projeto, das nossas sessões, tínhamos a intenção de promover a sensibilização à diversidade linguística e cultural, sensibilizar para a Educação em prol do Desenvolvimento Sustentável, desenvolver o respeito pelos outros e pela sua cultura e língua e proporcionar a compreensão dos direitos linguísticos e culturais.
A utilização do livro “A Maior Flor do Mundo”, de José Saramago, como ponto de partido para as sessões do projeto a nosso ver foi muito interessante, pois a turma em que estamos gostam muito da hora do conto. Então através da análise do conto conseguimos chegar aos pontos que eram do nosso interesse, às temáticas pretendidas. Para além disso este livro faz parte da lista de livros que eles têm de estudar neste ano letivo, conseguindo assim alear as sessões do projeto com a prática pedagógica.
Por fim, relativamente à tua questão acerca das reações dos alunos aos trabalhos afixados, achamos que as reações foram boas, eles gostaram de ver os seus trabalhos afixados e até mesmo para verem o que os colegas fizeram, ou então, por exemplo, na flor linguística ver os gostos linguísticos dos colegas.

Obrigada pelo teu comentário e continuação de um bom trabalho!

Beijinho,
Carla e Márcia


De mrmo a 27 de Novembro de 2013 às 20:56
Olá meninas :)

Achei o vosso projeto muito interessante, mas também desafiante, uma vez que está em causa a sensibilização das crianças para a diversidade linguística e cultural e para o desenvolvimento sustentável.

Gostei muito do nome “Jardim linguístico da turma”, penso que está original e vai ao encontro da vossa temática.

Ao ler o vosso post houve algo que me chamou à atenção, nomeadamente quando referem que “ […] as flores com pétalas de diferentes cores representam a biografia linguística de cada aluno, onde em cada pétala os alunos escreveram as línguas que falam, as línguas com que já contactaram, as línguas que não gostam e aquelas que gostariam de aprender”. Gostaria de saber o que vão desenvolver ou o que já desenvolveram a partir das flores com pétalas de diferentes cores, como por exemplo, se as crianças vão ter a oportunidade de contactar um pouco com uma língua que gostassem de aprender.

Continuação de um bom trabalho!
Beijinho.
Márcia Oliveira.


De marciaandreia a 10 de Dezembro de 2013 às 12:02
Olá márcia,

Antes de mais muito obrigada pelo teu comentário.
Relativamente à tua questão, tudo o que os alunos escreveram na sua flor linguística são elementos importantes para recolha de dados, para sabermos quais os conhecimentos prévios dos alunos, neste acaso acerca das diferentes línguas que existem e que estes têm conhecimento. Desta forma, o que os alunos escreveram como língua que gostariam de aprender/contactar foi tido em conta para a elaboração e escolha das línguas a serem abordadas nas sessões. Como por exemplo, os alunos referiram muitas vezes o interesse pelo russo, então numa atividade tiveram contacto com essa língua. Esse contacto foi muito interessante uma vez que o russo faz parte de um alfabeto diferente e com caracteres diferentes dos nossos.

Continuação de um bom trabalho!

Beijinhos,
Carla e Márcia.


De ssd a 27 de Novembro de 2013 às 21:37
Boa noite Márcia e Carla...

Considero o vosso projeto muito interessante, pelo facto de conseguirem interligar temáticas diferentes, como a sensibilização à diversidade linguística, a dimensão ambiental e a dimensão económica relativamente ao desenvolvimentos sustentável. Cada uma de vós é responsável por abordar uma dimensão? Ou ambas trabalham em conjunto as duas dimensões?
O facto de trabalharem a obra "A maior flor do mundo" de José Saramago é um aspeto positivo pois tiveram um ponto de partida para abordar as temáticas e conseguiram simultaneamente trabalhar tendo em conta a interdisciplinariedade uma vez que esta é uma das obras do programa do 4.º ano na área de português.
Que línguas têm trabalhado para sensibilizarem as crianças para a diversidade linguística? Tiveram em conta as línguas que as crianças referiram que gostariam de aprender? Ou já as tinham estipulado?

Beijinho e continuação de um bom trabalho!

Sabrina Duarte


De marciaandreia a 10 de Dezembro de 2013 às 12:05
Olá Sabrina :)

Muito obrigada pelo teu comentário ao nosso trabalho.
Relativamente à tua primeira questão no que diz respeito ao teu, nós organizamo-nos da seguinte forma, apesar de termos as temáticas gerais iguais, que são a Sensibilização à Diversidade Linguística e Cultural e o Desenvolvimento Sustentável, existem aspetos que nos diferenciam, que são na parte da Sensibilização à Diversidade Linguística uma trabalhou a competência plurilingue (Márcia) e outra os direitos linguísticos e culturais (Carla). No que diz respeito ao Desenvolvimento Sustentável uma abordou a dimensão ambiental (Márcia) e outra a económica (Carla). Contudo, apesar de termos aspetos que nos diferenciam tentamos sempre que as nossas sessões tivessem alguma ligação entre elas, até porque em cada semana cada uma de nós desenvolvia sessões de cada uma.
Por fim, quanto à tua questão das línguas abordadas, as sessões em que estiveram presentes diferentes línguas tivemos sempre em consideração as línguas que os alunos referiram como línguas que gostariam de contactar/aprender na flor linguística. Assim trabalhamos o catalão, espanhol, italiano, francês, inglês, alemão e russo.

Continuação de um bom trabalho!

Beijinhos,
Carla e Márcia


De carolina-dias a 28 de Novembro de 2013 às 12:15
Olá Olá meninas :) achei o vosso post muito interessante, que reflete o que têm vindo a desenvolver para o vosso relatório de estágio. Antes de mais parabéns pois, através do vosso post, parece-me um projeto estruturado, com um tema firme, e com atividades encadeadas entre si através dos trabalhos expostos dos alunos, criando a ligação que vocês mencionaram.
Algumas das questões que vos quero colocar vão ao encontro do que as colegas já questionaram, nomeadamente se o projeto foi pensado pelas duas? Se as atividades são realizadas separadamente em função do que cada uma pretende ou se juntas conseguiram criar atividades na qual conseguem observar o que querem? Digo isto porque, eu e a minha colega de estágio, criámos atividades juntas para as nossas temáticas do relatório de estágio. As atividades que criámos têm como objetivo promover a autoestima, pois existe uma criança que tem baixa autoestima, evidenciada pela pouca colaboração, impulsividade, sentimento de inferioridade ou vergonha que demonstra, entre outros, e as competências sociais.
Para além destas questões gostaria de saber como realizaram a escolha do livro? É sempre complicado escolher um livro que aborde o que pretendemos e que transmita a mensagem que queremos passar para as crianças. Já conheciam o livro ou a vossa orientadora ajudou-vos nesta escolha?
Disseram que "... onde em cada pétala os alunos escreveram as línguas que falam ...", as crianças falam muitas línguas para além do português?
Falaram que na recolha de dados utilizaram os questionários, dou-vos algumas sugestões de leituras que certamente vos irá ajudar no capítulo da metodologia:
- Ketele, J. & Roegiers, X. (1993) Metodologia da recolha de dados. Lisboa: Instituto Piaget;
- Quivy, R. & Campenhoudt, L. (1995). MAnual de investigação em ciênias sociais. Lisboa: Gradiva

Gostaria de saber quantas sessões planearam? Sentem que as atividades que criaram evoluem conforme o gosto e interesses das crianças? Que ficam no limite das suas capacidades? Ou vocês focam-se mais nos objetivos não indo de encontro a estes fatores que mencionei?
Como planificam as vossas atividades do relatório de estágio em função do que têm que ensinar na prática pedagógica?


Continuação de bom trabalho :)

Beijinho, Carolina.


De marciaandreia a 10 de Dezembro de 2013 às 12:07

Olá Carolina :)

Antes de mais muito obrigada pelo teu comentário ao nosso trabalho.
Relativamente à tua primeira questão se o projeto foi pensado pelas duas a resposta é sim, pensamos que seria a melhor opção, tanto para nós pois podiamo-nos ajudar mutuamente como para as crianças, pois assim todas as sessões tinham uma ligação e não eram dadas separadamente, sem um fio condutor, ou sem transferirem conhecimentos de umas sessões para as outras. Contudo, apesar de termos planificado as sessões em conjunto cada uma realizava a que estava destinada ao seu projeto, ao que nos diferencia. Apesar disso, de cada uma realizar as suas sessões em algumas sessões conseguimos retirar dados para a outra.
Quanto à escolha do livro nós já tínhamos ouvido falar e já conhecíamos um pouco o livro através também de um vídeo que existe adaptado do livro. Contudo na pesquisa que realizamos nas metas e objetivos de cada área nomeadamente nos livros que estão programados para serem abordados e estudados nas aulas de português o livro “A Maior Flor do Mundo”, de José Saramago, fazia parte da lista do PNL. Assim voltamos a ver o livro e a analisá-lo e reparamos que de facto com ele conseguíamos chegar aos temas que nos interessavam, nesse aspeto tivemos alguma ajuda da nossa orientadora.
No que diz respeito à tua pergunta sobre quais as línguas que as crianças referiram como línguas que falam para além do português, estas mencionaram o inglês, por exemplo, pois têm aulas de inglês e nessa aula, por pouco que seja, falam nessa língua.
Por fim, e respondendo ao conjunto de questões que colocaste no final, planeamos oito sessões que são divididas entre as duas. O facto de haver uma ligação entre as sessões fez com que os alunos mostrassem grande interesse e gosto nas diferentes atividades planeadas, até porque os temas eram do seu interesse. Isso levou a que estivessem sempre a colocar questões e a querer saber mais acerca disso, o que se tornou desafiante para nós. Contudo, apesar de serem temas do seu interesse tivemos também em atenção a prática pedagógica, tentando que os objetivos das sessões fossem ao encontro dos objetivos de cada área, tentando sempre criar interdisciplinearidade.
Obrigada pelas sugestões de leituras.

Continuação de um bom trabalho!

Beijinhos,
Carla e Márcia


De imgt a 30 de Novembro de 2013 às 12:59
Olá meninas :)
Desde mais quero felicitá-las pela realização desta atividade pois achei deveras interessante.
A temática que vocês abordaram é pertinente, uma vez que os temas que abordaram (problemas ambientais, animais em vias de extinção e o consumismo) tratam-se de problemas cada vez mais existentes na sociedade e no mundo e para os quais se deviam arranjar uma solução urgente.
Estas crianças, são o futuros da nossa sociedade e é importante alertá-los e sensibilizá-los desde de cedo para esses mesmos problemas.
Achei também desafiante o facto de ligarem estes temas à diversidade linguística.
Vocês referem que "em cada pétala os alunos escreveram as línguas que falam, as línguas com que já contactaram, as línguas que não gostam e aquelas que gostariam de aprender", vocês pretendem ou têm a ideia de as crianças contactarem com as línguas mencionadas nas pétalas?
Têm alguma atividade pensada que envolvam todas ou algumas dessas línguas?
Continuação de bom trabalho
Bjs
Ivete Teixeira


De marciaandreia a 10 de Dezembro de 2013 às 12:09
Olá Ivete,

Antes de mais muito obrigada pelo teu comentário, de facto tem sido muito interessante a ligação de estas duas temáticas tão distintas e ao mesmo tempo que se relacionam entre si.
Relativamente à tua questão sobre se sabemos se os alunos contactam com essas línguas, antes de eles preencherem essa pétala nós demos algumas dicas, ou seja, para escreverem as línguas que já contactaram, por exemplo, na televisão ou num livro. E quanto às línguas faladas, muitos referiram o inglês pois têm aulas de inglês, nas AEC’s. com os dados que recolhemos nas flores linguísticas dos alunos aproveitamos os seus interesses e gostos para elaborarmos as atividades, tentando sempre colocar as línguas que mencionaram como as que gostariam de aprender/contactar.

Continuação de um bom trabalho!

Beijinho,
Carla e Márcia


De ana-vivas a 5 de Dezembro de 2013 às 19:46
Olá Carla e Márcia

Muitos parabéns pelo vosso trabalho. No meu ponto de vista está um trabalho muito bem interligado com as temáticas e com temas muito interessantes e importantes para a atualidade.

Gostaria de saber se as vossas sessões foram realizadas em díade ou se cada uma tinha as suas sessãos. Por exemplo, eu e a Sabrina temos temas diferentes mas conseguimos realizar apenas um projeto, onde numa sessão conseguimos trabalhar questões da minha temática e questões da temática da Sabrina.

Quantas sessões desenvolveram? Em relação à diversidade linguística como trabalharam com os alunos?

Beijinhos e continuação de bom trabalho
Ana Vivas


De marciaandreia a 10 de Dezembro de 2013 às 12:10
Olá Ana :)

Antes de mais muito obrigada pelo teu comentário ao nosso projeto.
Relativamente às tuas questões, desenvolvemos oito sessões, contudo cada uma de nós desenvolveu aquelas que diziam respeito à parte que nos diferencia. Em relação à diversidade linguística temos dois pontos que nos diferenciam, em que uma trabalhou os direitos linguísticos e culturais (Carla) e outra a competência plurilingue (Márcia). Um dos exemplos em que se trabalhou a competência plurilingue foi por exemplo na análise de diferentes palavras relacionadas com o meio ambiente em diferentes línguas.

Continuação de um bom trabalho!

Beijinhos,
Carla e Márcia


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post