Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 25 de Novembro de 2013
A reflexão após a intervenção

 Olá meninas J

Terminadas as fases II e III de intervenção, surgiu necessidade de refletir acerca das mesmas. Deste modo, partilho convosco alguns dos meus receios e como foram ultrapassados.

Numa primeira fase, as intervenções, ainda que partilhadas, deixaram-me um pouco receosa pois, sendo eu uma das responsáveis pelo desenvolvimento do grupo, senti e sinto a necessidade de planificar de forma bem estruturada toda a minha atuação (porém, importa referir que a planificação é flexível e, como tal, pode não ser cumprida da forma como foi pensada previamente, ou pode não ser cumprida de todo, dada a imprevisibilidade e os problemas que emergem da própria prática no decurso da mesma). E vocês consideram a planificação importante para orientar as vossas intervenções pedagógicas?

Para além disto, senti e sinto a necessidade de planificar atividades que tenham em consideração os interesses e as necessidades das crianças, de forma a proporcionar-lhes momentos de elevado envolvimento e a possibilitar-lhes uma construção efetiva de aprendizagens. No entanto, por vezes, no momento de planificar as minhas atividades ficava receosa, pois não sabia como é que as crianças iam reagir às mesmas. No entanto, e ao longo das intervenções, pude constatar que se partirmos das ideias das crianças e lhes acrescentarmos algo interessante, se lhes proporcionarmos atividades que requeiram a sua participação ativa e se lhes apresentarmos recursos apelativos e suportes visuais, o seu envolvimento será muito maior. E vocês, o que consideram relativamente a este aspeto? Acham que se partirmos das ideias das crianças, se tivermos em consideração os seus interesses e se lhes proporcionarmos atividades que requeiram a sua participação ativa o seu envolvimento será muito maior?

 

Continuação de bom estágio J

Beijinho.

Sandra Baptista.


tags:

publicado por baptista às 21:47

De fabianamabrantes a 12 de Dezembro de 2013 às 22:39
Considero a planificação um momento fundamental do processo educativo que requer muita ponderação e reflexão, no entanto, deve ser considerada como um documento orientador e não deve ser vista como algo rígido que tem de ser cumprido à risca. No dia a dia, devemos sempre valorizar as questões colocadas pelas crianças, tentando dar-lhes uma resposta, mesmo que para isso seja necessário fazer um “desvio” à planificação, podendo correr o risco de não estarmos preparadas para dar uma resposta satisfatória. Caso não consigamos dar uma resposta de imediato, podemos sempre aproveitar para incentivar as crianças a fazerem trabalho de pesquisa em casa com os seus familiares, de modo a ganharmos tempo para numa próxima sessão sermos capazes de esclarecer essas mesmas questões.
Durante as minhas intervenções houve sempre o cuidado de partir dos interesses das crianças para realizar as planificações, delineando as estratégias e atividades com o intuito de fomentar as aprendizagens das crianças a diferentes níveis. Estas aprendizagens deverão partir sempre de situações próximas das crianças para que os seus índices de motivação aumentem, conduzindo assim, ao seu sucesso.
A planificação é um instrumento que tem como finalidade otimizar a prática educativa, ou seja, a planificação não pode reduzir-se à formulação de uns tantos objetivos, enumeração e ordenação de determinados conteúdos programáticos, à realização de prazos de realização, bem como aos processos que são, indevidamente, muitas vezes assumidos como se fossem a própria planificação. Para planificar o educador/professor deve apoiar-se em princípios teóricos (curriculares e pedagógico-didáticos) contextualizando-os, de forma a adaptar o seu pensamento às componentes e às características fundamentais da ação concreta. Neste sentido, planificar é pôr em ação, numa realidade concreta, o pensamento pedagógico e científico. Leite (2010) afirma que

para planear, o professor mobiliza um conjunto de conhecimentos, experiências e procedimentos que justificam e apoiam as decisões a tomar (…). Planear exige ainda a definição explícita de um propósito e a clarificação de uma orientação estratégica para alcançar esse propósito (planeia-se para chegar a determinado fim, à situação desejada) (p. 7).

Leite, T. (2010). Planeamento e concepção da acção de ensinar. Aveiro: Universidade de Aveiro .


Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados



Email

Password


Este Blog tem comentários moderados


Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários