Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 25 de Novembro de 2013
A reflexão após a intervenção

 Olá meninas J

Terminadas as fases II e III de intervenção, surgiu necessidade de refletir acerca das mesmas. Deste modo, partilho convosco alguns dos meus receios e como foram ultrapassados.

Numa primeira fase, as intervenções, ainda que partilhadas, deixaram-me um pouco receosa pois, sendo eu uma das responsáveis pelo desenvolvimento do grupo, senti e sinto a necessidade de planificar de forma bem estruturada toda a minha atuação (porém, importa referir que a planificação é flexível e, como tal, pode não ser cumprida da forma como foi pensada previamente, ou pode não ser cumprida de todo, dada a imprevisibilidade e os problemas que emergem da própria prática no decurso da mesma). E vocês consideram a planificação importante para orientar as vossas intervenções pedagógicas?

Para além disto, senti e sinto a necessidade de planificar atividades que tenham em consideração os interesses e as necessidades das crianças, de forma a proporcionar-lhes momentos de elevado envolvimento e a possibilitar-lhes uma construção efetiva de aprendizagens. No entanto, por vezes, no momento de planificar as minhas atividades ficava receosa, pois não sabia como é que as crianças iam reagir às mesmas. No entanto, e ao longo das intervenções, pude constatar que se partirmos das ideias das crianças e lhes acrescentarmos algo interessante, se lhes proporcionarmos atividades que requeiram a sua participação ativa e se lhes apresentarmos recursos apelativos e suportes visuais, o seu envolvimento será muito maior. E vocês, o que consideram relativamente a este aspeto? Acham que se partirmos das ideias das crianças, se tivermos em consideração os seus interesses e se lhes proporcionarmos atividades que requeiram a sua participação ativa o seu envolvimento será muito maior?

 

Continuação de bom estágio J

Beijinho.

Sandra Baptista.


tags:

publicado por baptista às 21:47

De carolina-dias a 28 de Novembro de 2013 às 20:23
Olá Sandra :)

Na minha opinião as planificações são um suporte indispensável nas nossas práticas. Para o autor Escudero (n.d.), a planificação consiste em prever possíveis cursos de ação de um fenómeno e realizar algumas previsões do que possa acontecer,
desejos, aspirações, e metas num projeto que seja capaz de representar, dentro do possível, as nossas ideias acerca das razões
pelas quais desejaríamos conseguir, e como poderíamos levar a cabo, um plano para as concretizar (referido por Zabalza, 1994).
Penso então, que através da planificação encontraremos:
- um conjunto de conhecimentos, ideias ou experiências sobre o fenómeno a organizar, que atuará como apoio conceptual e de justificação do que se decide;
- um propósito, fim ou meta a alcançar que nos indica a direção a seguir;
- uma previsão a respeito do processo a seguir que deverá concretizar-se numa estratégia de procedimento que inclui os conteúdos ou tarefas a realizar, a sequência das atividades e, de alguma forma, a avaliação ou encerramento do processo.
Concordam que a planificação abrange tudo isto?
Segundo as orientações curriculares para a educação pré-escolar é importante a existência de uma pedagogia estruturada, o que implica uma organização intencional e sistemática do processo pedagógico, exigindo que o educador planeie o seu trabalho e avalie o processo e os seus efeitos no desenvolvimento e na aprendizagem das crianças(1997). Aliado à planificação deve existir uma reflexão, no final do dia, sobre o que correu bem ou menos bem nas nossas intervenções. Estou a estagiar no pré-escolar e algumas planificações, que crio juntamente com a minha colega, nem sempre se realizam. Também constatei o mesmo que tu "que se partirmos das ideias das crianças e lhes acrescentarmos algo interessante, se lhes proporcionarmos atividades que requeiram a sua participação ativa e se lhes apresentarmos recursos apelativos e suportes visuais, o seu envolvimento será muito maior. ". Desde as primeiras planificações, este semestre, até às realizadas agora considero que aprendi que não devemos impor às crianças o que queremos que elas façam, mas sim partir do que as crianças sabem, do que querem realizar nesse dia e da sua disposição e dar atividades que fiquem no limiar de tudo isto. As reflexões semanais que realizo juntamente com a minha colega ajudaram-me a compreender isto, e também são um apoio fundamental.
Claro que no 1.º CEB, não temos tanto este espaço de manobra.


Continuação de bom trabalho :)

Beijinho, Carolina.

Referências bibliográficas:
- Ministério da Educação (ME). (1997). Orientações Curriculares para a educação pré-escolar. Departamento da educação básica;
- Zabalza, M. (1994). Planificação e Desenvolvimento Curricular na Escola, Ed. ASA, Porto


De baptista a 29 de Novembro de 2013 às 11:27
Olá Carolina :)

Obrigada pelo comentário.

Na minha opinião, é devido aos aspetos por ti mencionados relativamente àquilo que encontramos na planificação (um conjunto de conhecimentos, ideias ou experiências sobre o fenómeno a organizar, que atuará como apoio conceptual e de justificação do que se decide; um propósito, fim ou meta a alcançar que nos indica a direção a seguir; uma previsão a respeito do processo a seguir que deverá concretizar-se numa estratégia de procedimento que inclui os conteúdos ou tarefas a realizar, a sequência das atividades e, de alguma forma, a avaliação ou encerramento do processo) que a planificação se torna fundamental para as nossas intervenções pedagógicas. E, por isso, concordo com a questão por ti colocada.

Continuação de bom trabalho :)

Beijinho.

Sandra Baptista.


De carolina-dias a 29 de Novembro de 2013 às 12:08
Bom dia :)

Os aspetos que mencionei foi através da leitura que realizei à bibliografia "Zabalza, M. (1994). Planificação e Desenvolvimento Curricular na Escola, Ed. ASA, Porto". Quem quiser saber mais sobre esta temática que nos trouxeste ao blog aconselho a leitura. Aborda questões como: o que é uma planificação? Questões a ter presente numa planificação? Características e elementos principais de uma planificação? Qual o roteiro de um plano de aula? Entre outras questões.

Fica a sugestão :)

Beijinho, Carolina.


Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados



Email

Password


Este Blog tem comentários moderados


Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários