Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Quarta-feira, 20 de Novembro de 2013
Apresentação da turma

Olá meninas ;)
Hoje venho dar-vos a conhecer o grupo de alunos onde me encontro a realizar a minha prática pedagógica. 
Trata-se de um grupo com 21 alunos, 13 rapazes e 8 raparigas, integrando três alunos com necessidades educativas especiais de caráter prolongado, abrangidos por medidas educativas ao abrigo do Dec. Lei nº3/2008 de 7 de janeiro, nomeadamente dois alunos portadores de multideficiência e um aluno com atraso global de desenvolvimento. As idades destes alunos encontram-se compreendidas entre os 7 e 8 anos, sendo que maioritariamente apresentam 7 anos. 
É um grupo bastante motivado para aprender, contudo os momentos de atenção/concentração dos alunos são demasiado curtos e verificando-se assim, alguma falta de interiorização e cumprimento de regras, fator este que nos parece influenciar a criação de condições propícias à aprendizagem.
Durante o período em que nos encontramos a estagiar, fomo-nos apercebendo que os alunos com necessidades educativas especiais se encontram perfeitamente integrados na turma. Sempre que estes alunos se juntam com a turma é visível a alegria e o carinho que os mesmos sentem por estas crianças, tentando sempre apoia-los em todas as atividades onde estes estejam. 

Continuação de um bom trabalho para todas :)
Beijinhos

Sandra Moura


tags: , ,

publicado por sandramoura às 21:47

16

De fabianamabrantes a 21 de Novembro de 2013 às 16:02
Ola Sandra.
Qual é o ano de escolaridade que estás a leccionar? Não referes, gostaria de saber. Em relação ao teu post afirmas que o grupo é bastante motivado para aprender, em que dados concretos te baseias para dizer isso? Sem ser a observação directa claro. Tendo em conta que os momentos de atenção/concentração dos alunos são demasiado curtos, que estratégias já adoptas-te para combater essa dificuldade? Talvez depende também do tipo de actividades que se desenvolve com eles. As crianças com NEE desenvolvem as mesmas actividades que o resto da turma? Fico feliz por esses meninos estarem bem integrados com o resto da turma, acho que isso é meio caminho andado para o seu sucesso na aprendizagem, pois deixa-os motivados. Boa sorte.


De sandramoura a 25 de Novembro de 2013 às 22:49
Olá Fabiana :)
Realmente esqueci-me de dizer qual era o ano de escolaridade em que estou a lecionar. Trata-se de uma turma de 2º ano da EB1 das Barrocas.
Relativamente às questões que colocas posso dizer-te que o grupo mostra-se motivado, na medida em que coloca questões, realiza pesquisas ou sugerem mesmo temas que gostavam de ver tratados, sendo que nós procuramos ir ao encontro das suas sugestões, fazendo com que os mesmos se encontrem motivados e implicados nas atividades.
Uma vez que a turma tem momentos de atenção/concentração demasiado curtos, optámos por realizar atividades mais práticas, todavia nem sempre é possível, pelo que adoptamos a estratégia do "toque", isto é, sempre que uma criança se encontra distraída tocámos-lhe discretamente para que a mesma volte à atividade que estava a realizar. Esta estratégia não funciona com todas as crianças, sendo que decidimos implementar o conselho de turma e o diário de turma, que se realizam todas as 6ª feiras e onde debatemos alguns assuntos como por exemplo os momentos de distração dos alunos, uma vez que sentimos a necessidade de perceber se existiria uma causa por trás destas distrações. Constatamos que em alguns alunos esses momentos de distração tinham uma causa, todavia existiam alunos onde tal não acontecia, pelo que decidimos trabalhar individualmente com os mesmos.
As crianças com NEE não realizam sempre as mesmas atividades que os restantes alunos, uma vez que temos duas crianças com NEE que se encontram na Unidades Especializadas de Apoio à Multideficiência sendo que só integram a turma na área das expressões artísticas e na área de expressão motora. Por sua vez a outra aluna encontra-se na sala a tempo inteiro, sendo que só sai para realizar as suas terapias, contudo as tarefas que a mesma realiza por vezes têm de ser adaptadas.

Espero ter esclarecido todas as tuas dúvidas :)
Beijinho


De baptista a 21 de Novembro de 2013 às 17:00
Olá Sandra :)

A partir da leitura do teu post vejo que estás perante um grupo de crianças com diferentes necessidades. Todavia, considero esse facto uma mais valia para ti, visto que te permite lidar desde já com diferentes situações, certamente. Não sei se concordas comigo :)

No entanto, gostaria de saber se no momento de planificares as tuas aulas planificas diferentes atividades para os três alunos que referes com necessidades educativas especiais.

Em relação aos curtos momentos de atenção/concentração do grupo, esses proveem do grupo em geral ou de algumas crianças em particular? Como geres esses momentos?

Relativamente à última frase que referes, é gratificante vermos que crianças com necessidades educativas especiais não são excluídas do grupo, só porque têm outro tipo de necessidades.

Continuação de bom trabalho :)

Beijinho.

Sandra Baptista.


De sandramoura a 25 de Novembro de 2013 às 23:01
Olá Sandra :)

Claro que partilho da mesma opinião que tu. Tem sido sem dúvida um desafio, mas tem tido as suas recompensas :) No que diz respeito às crianças com NEE devo salientar o fato de duas delas se encontrarem na turma somente nas áreas de expresões artísticas e motoras e uma outra a tempo inteiro. Assim inicialmente as nossa planificações não contemplavam estas crianças, pois quando iniciamos a nossa prática os alunos ainda estavam a ser avaliados pelos professores de educação especial. Agora, numa fase mais recente, já temos em atenção essas crianças, sendo que as planificações são feitas também a pensar nelas.
Relativamente aos curtos momentos de concentração, optámos por realizar atividades mais práticas, todavia nem sempre é possível, pelo que adoptamos a estratégia do "toque", isto é, sempre que uma criança se encontra distraída tocámos-lhe discretamente para que a mesma volte à atividade que estava a realizar. Esta estratégia não funciona com todas as crianças, sendo que decidimos implementar o conselho de turma e o diário de turma, que se realizam todas as 6ª feiras e onde debatemos alguns assuntos como por exemplo os momentos de distração dos alunos, uma vez que sentimos a necessidade de perceber se existiria uma causa por trás destas distrações. Constatamos que em alguns alunos esses momentos de distração tinham uma causa, todavia existiam alunos onde tal não acontecia, pelo que decidimos trabalhar individualmente com os mesmos.

Espero ter esclarecido as tuas dúvidas :)
Beijinho


De mrmo a 21 de Novembro de 2013 às 18:57
Olá Sandra ;)

Estás a estagiar numa turma bastante interessante, pois o contacto com crianças com necessidades educativas especiais é uma mais valia para o teu desenvolvimento profissional e também pessoal.

Gostaria de saber se as crianças com NEE estão sempre convosco na sala ou se há momentos em que estas saem da sala para realizar um trabalho mais autónomo com outro(s) profissionais de educação.

Nos momentos em que estão convosco, são vocês que têm de planificar respostas educativas para as necessidades específicas de cada uma dessas crianças ou a educadora também tem intervenção na procura dessas respostas?

Gostei muito de saber que as crianças se sentem integradas na turma, pois permitirá que estas não possuam um sentimento de exclusão mas que se sintam como as outras crianças.

Continuação de um bom trabalho!
Beijinho.
Márcia Oliveira


De sandramoura a 25 de Novembro de 2013 às 23:08
Olá Márcia :)
Realmente tem sido, sem dúvida, um grande desafio, mas tem tido as suas recompensas :) No que diz respeito às crianças com NEE devo salientar o fato de que somente uma se encontra na sala a tempo inteiro, as outras duas só vão às horas destinadas à expressão plástica e à expressão motora. No que diz respeito às nossas planificações devo dizer-vos que numa fase inicial as mesmas não contemplavam estas crianças, pois quando iniciamos a nossa prática os alunos ainda estavam a ser avaliados pelos professores de educação especial. Agora, numa fase mais recente, já temos em atenção essas crianças, sendo que as planificações são feitas também a pensar nelas.
É muito gratificante ver a preocupação que os alunos da turma têm com os alunos com NEE, mesmo quando estas estão no recreio.
Espero que tenha esclarecido a tua dúvida, continuação de um bom trabalho :)
Beijinho


De andreiacsilva a 21 de Novembro de 2013 às 23:32
Olá :)

Só queria deixar aqui uma pequena questão.. Quando dizes que as crianças com necessidades educativas especiais estão perfeitamente integradas na turma, em que te baseias para dizer isso? Elas realizam as mesmas atividades que a restante turma? Estão adequadas ao seu nível de desenvolvimento? E tu tens o cuidado de adaptar as atividades para essas crianças?

Eu não sei com que faixa etária estás a trabalhar, mas eu estou com uma turma de 4º ano e, apesar de haver duas crianças com NEE fazerem parte da turma, uma delas não consegue realizar a maior parte das atividades da restante turma, tem que realizar atividades direcionadas para o 2º ano do 1º CE e temos que ter isso em atenção e prestar um apoio diferente, o que, quando é só um professor, torna-se muito complicado mesmo.

Continuação de um bom trabalho :)

Andreia Silva


De sandramoura a 21 de Dezembro de 2013 às 22:42
Olá Andreia :)
Quando digo que as crianças com NEE estão perfeitamente relacionadas na turma refiro-me às questões de relacionamento com os restantes alunos, uma vez que é visível o carinho e a preocupação que os alunos da turma demonstram em relação às crianças com NEE.
Quanto às questões que levantas posso dizer-te que estas crianças não realizam as mesmas atividades, sendo que as mesmas têm de ser adequadas ao seu nível de desenvolvimento.
A planificação destas atividades não se encontram à nossa responsabilidade, sendo que sempre existiu uma preocupação da nossa parte na planificação de atividades onde as crianças com NEE pudessem estar integradas, uma vez que na minha opinião tanto estas crianças, como as restantes que integram a turma só ganham com isso.

Continuação de um bom trabalho :)

Sandra Moura


De imgt a 22 de Novembro de 2013 às 22:26
olá Sandra :)
Tu referes que se trata de um grupo motivado para aprender, que fatores te levam a concluir isso?
Apesar disso, referes que os seus momentos de concentração são demasiados curtos, tens alguma ideia de o porquê disso acontecer?
Nas vossa planificações têm em consideração estes dois aspetos distintos?
Que medidas têm tomado ou visam tomar para colmatar esta situação?
As planificações para as crianças com NEE são as mesmas dos restantes alunos ou fazem planificações separadas?
É muito bom saber que os restantes alunos da turma se dão bem com os alunos com NEE integrando-os e auxiliando-os.
Continuação de bom trabalho.
bjs
Ivete Teixeira


De sandramoura a 21 de Dezembro de 2013 às 22:53
Olá Ivete :)

Respondendo às questões que colocas posso-.te dizer que considero que estes alunos, com quem estou a intervir, são alunos motivados para aprender, na medida em que os mesmos procuram sempre saber mais e questionam-nos sobre diversos temas que lhes suscitam interesses, chegando mesmo a pedir que sejam abordados algumas temáticas.
Relativamente aos curtos momentos de concentração dos alunos achamos que os mesmos acontecem mais frequentemente com determinadas atividades, sendo que nas nossas planificações tentamos sempre ter em conta este aspeto. Assim tentamos realizar atividades de diversa natureza e que despertem o interesse das crianças, como atividades onde as crianças possam da opinião (texto coletivo) ou atividades mais direcionadas para os jogos, que como sabemos são uma boa estratégia para que os alunos aprendam!
Quanto às planificações dos alunos com NEE, devo salientar que estas não são da nossa responsabilidade, contudo existe sempre alguma preocupação da nossa parte em adaptar as atividades, nas áreas de expressão motora e artística, uma vez que são nestas áreas que temos os dois alunos com NEE que se encontram na unidade de apoio à multideficiência.

Continuação de um bom trabalho,

Sandra Moura


De joanaazevedo a 23 de Novembro de 2013 às 14:55
Olá, Sandra!

É bom saber que as crianças com necessidades educativas especiais se encontram integradas na turma. É uma vantagem não só para as crianças com necessidades educativas especiais como também para as outras crianças, pois aprendem umas com as outras. As crianças com necessidades educativas especiais ao estarem em contacto com as outras crianças desenvolvem “ […] a linguagem, o pensamento, a socialização, a iniciativa e a auto-estima […]” (Souza, Passos, Lisboa, Sousa, & Carneiro, s.d., p.3).
Referes que “ os momentos de atenção/concentração dos alunos são demasiado curtos”, como geres as situações em que os alunos se encontram mais distraídos?
Neste post, não falas nas dificuldades que tens vindo a sentir durante as tuas intervenções. Por isso, gostaria de saber quais as dificuldades que estás a sentir?

Continuação de bom trabalho :)
Beijinhos,
Joana Ferreira

Referências Bibliográficas:
Souza, A., Passos, C., Lisboa, G., Sousa, L., & Carneiro, T. (s.d). A inclusão de crianças portadoras de necessidades especiais e os desafios do docente em lidar com isso. Cairu em Revista – Sociedade, Educação Gestão e Sustentabilidade, 1-12.


De sandramoura a 21 de Dezembro de 2013 às 22:33
Olá Joana :)

É mesmo uma vantagem Joana!
Respondendo às questões que me colocas, posso-te dizer que as maiores dificuldades prendem-se mesmo com a questão do grupo ser bastante heterogéneo, de possuir ritmos de trabalhos muito diferentes e por fim por, como já havia referido no post, ser um grupo que possui curtos momentos de atenção/concentração.
As estratégias que utilizo para tentar que os alunos retomem a tarefa que se encontra a realizar é o toque e as chamadas de atenção, incentivando os alunos a retomarem a tarefa.

Espero que te tenha esclarecido :)
Beijinhos
Sandra Moura


De ssd a 25 de Novembro de 2013 às 20:46
Boa noite Sandra,

neste momento encontro-me a estagiar numa turma de 2.º ano, fazendo parte deste grupo um aluno com NEE. Pela experiência que tenho tido, não é fácil gerir uma turma com alunos com estas necessidades, uma vez que requerem muito apoio individualizado. No meu caso, eu não sou responsável pela planificação das atividades destinadas ao aluno com NEE, mas no entanto, sempre que possível e principalmente quando não se trata da minha semana de intervenção apoio-o no que é necessário. Este aluno tem duas vezes por semana apoio de uma professora de ensino especial e tem um PEI (Plano Educativo Individual). No teu caso, os meninos com NEE, tem qualquer tipo de apoio de professores de ensino especial? E têm algum plano específico? És responsável por planificares as atividades para estes alunos, ou estes realizam as mesmas tarefas que as restantes crianças??
Apesar de por vezes ser complicado gerir uma turma com alunos que requerem um apoio individualizado, penso que seja uma mais-valia para nós, na medida em que nos prepara para gerirmos no futuro grupos de crianças heterogéneos ao nível das capacidades.

Bom trabalho!

Sabrina Duarte


De sandramoura a 21 de Dezembro de 2013 às 22:19
Olá Sabrina :)
Sem dúvida que é uma mais-valia para nós a integração destas crianças com NEE.
Na turma com quem estou a trabalhar existem 3 alunos com NEE, sendo que apenas um integra a turma a tempo inteiro, os outros dois estão na unidade de apoio à multideficiência, integrando a turma apenas nas disciplinas de expressões (motora e artística).
As medidas educativas implementadas à aluna que se encontra a tempo inteiro na turma são no o PEI (plano educativo individual) e é o Apoio Pedagógico Personalizado, esta usufrui ainda de apoio de psicomotricidade, de terapia da fala e de terapia ocupacional.
Quanto às planificações, posso-te dizer nós também não somos responsáveis, pois foi acordado com a professora titular da turma e com a professora da educação especial, contudo sempre que possível tentamos adequar as atividades a estes alunos.

Beijinhos e bom trabalho!!!
Sandra Moura


De ana-vivas a 25 de Novembro de 2013 às 20:55
Olá Sandra.

Antes de mais gostaria de te perguntar em que ano te encontras a estagiar!?

Eu estou a estagiar numa turma do 2º ano com crianças entre os 6 e os 7 anos, no qual também tenho uma criança sinalizada com Necessidades Educativas Especiais de Caracter Permanente (NEECP). Nas nossas planificações, minhas e da Sabrina, nós não planificamos atividades para esta criança, pois a professora cooperante é que o acompanha de mais de perto enquanto intervimos.
Por vezes ele consegue-se integrar nas atividades para os outros alunos, mas na maioria têm que ser todas adaptadas.

Desta forma eu gostaria de saber se tu tens em consideração na tua planificação atividades mais especificas para eles, e se assim for em que te baseias?

Quais as tuas maiores dificuldades na tua intervenção com a presença destes 3 alunos, que necessitam de mais apoio?

Beijinhos e continuação de bom trabalho.

Ana Vivas


De sandramoura a 21 de Dezembro de 2013 às 22:04
Olá Ana :)

Respondendo às questões que tu colocas, posso-te dizer que nós, numa fase inicial não planificávamos para estas crianças uma vez que havia ficado acordado com a professora titular da turma e com a professora de educação especial que não teríamos de o fazer. Contudo numa fase mais avançada da prática e sobretudo nas áreas de expressão plástica e motora começamos a planificar tendo em conta estas crianças, uma vez que é nestas áreas que estes tiram um maior proveito da atividades que realizamos.
Quanto à segunda questão que colocas posso dizer-te que as maiores dificuldades que senti deparam-se com a gestão em sala de aula, pois estes são alunos que necessitam um maior apoio. Todavia pude sempre contar com a ajuda da professora titular que sempre se preocupou em dar um maior auxílio a essas crianças, facilitando assim o nosso trabalho.

Beijinhos e um bom trabalho :)
Sandra Moura


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post