Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 18 de Novembro de 2013
A Índia chegou à nossa sala!!!

 Olá meninas :)

Esperamos que esteja tudo a correr bem no vosso estágio :)

Hoje queremos partilhar convosco uma situação que foi nova na nossa sala.

Certo dia, de manhã chegou à nossa sala uma nova amiguinha. No entanto, esta nossa amiguinha não sabia falar nem compreendia o nosso português e o inglês. A única língua que ela falava e compreendia era o indiano, a sua língua materna.

Pensámos: Pois bem e agora? O que fazemos?

No primeiro dia, esta menina ficou muito bem na sala, mesmo sem conhecer quem e o que a rodeava. Todas ficamos admiradas com tal reação.

Como não compreendiamos o que ela queria/precisava tentávamos satisfazer-lhe as necessidades básicas. Rapidamente aprendeu a pedir para fazer xixi.

Desta forma, o primeiro dia correu muito bem.

No dia seguinte, quando os pais a vieram trazer ela fez uma birra das grandes, sendo muito complicado para a conseguir acalmar. 

Do segundo dia em diante, as coisas foram piorando. A menina mal avistava o edifício começava aos gritos.

Como esta situação foi-se mantendo, a menina chegou mesmo a adoecer. Assim, os pais optaram por a retirar do jardim de infância, ficando em casa com a mãe, uma vez que esta é doméstica.

Já alguém vivenciou alguma situação do género?

O que acham da atitude destes pais? Terá sido a mais correta?

Que estratégias adotariam para tentar integrar esta criança, que não consegue comunicar convosco a não pelo indiano, na vossa sala?

Continuação de bom trabalho.

Beijinho

Ivete Teixeira e Vânia Castro



publicado por vaniacastro às 12:49

De mrmo a 19 de Novembro de 2013 às 20:12
Olá meninas :)

Gostaria de saber o que é que a educadora dizia aos encarregados de educação da criança relativamente a este assunto.

Considero que quando uma criança começa a frequentar o Jardim-de-infância pela primeira vez esta pode agir de muitas maneiras. O normal é que no primeiro dia ocorram choros e gritos. Contudo, também há crianças em que estas manifestações ocorrem após o primeiro dia.

No entanto, mesmo que seja após o primeiro dia também é completamente normal, pois os primeiros dias são sempre uma novidade para as crianças, nomeadamente pelo espaço novo, pelas pessoas novas que a rodeiam e que a acarinham porque a querem com um bom nível de bem-estar no contexto, pelos recursos materiais que encontra no jardim-de-infância, um conjunto de aspetos que lhes despertam o sentido de curiosidade e de descoberta.

Muitas vezes, este sentimento de conforto termina quando tudo o que a rodeia deixa de ser novidade para a criança. Esta começa a presentar o seu desconforto através de birras com o objetivo de que os pais cedam à sua chantagem, Deste modo, os pais não devem ceder, nem tentar compensar, posteriormente, a criança por ela ter ficado no jardim-de-infância, uma vez que isso vai dificultar a adaptação da criança ao novo contexto e não estimula a sua autonomia e independência.

Considero que os pais da vossa criança, se a retiraram, não o deviam ter feito. No entanto, a filha também ficou doente e eles acabaram por não ficar numa condição favorável. Contudo, também gostaria de saber como é que os pais procediam quando a deixavam no jardim-de-infância, como por exemplo, se prolongavam a despedida.

Relativamente às estratégias que adotaria para integrar a criança na sala, talvez incidissem em aproximá-la mais da criança indiana ou até mesmo quando ela chegava aos gritos levar a criança indiana até ela, uma vez que era a única criança com que esta conseguia comunicar. Outra estratégia seria permitir que a criança, durante os primeiros dias, utilizasse um objeto que lhe fosse próximo, o chamado Objeto de Transição para que se sentisse mais segura e confiante.

Continuação de um bom trabalho!
Beijinho.
Márcia Oliveira



De vaniacastro a 20 de Novembro de 2013 às 11:33
Olá Márcia :)
Antes de mais gostaríamos de te esclarecer uma coisa. A menina que chegou à sala é a menina que é indiana. Indiana só existe uma, ela...
Em relação ao momento em que a deixavam no jardim de infância, eles, mais propriamente, a mãe prolongavam a despedida. Houve inclusive um dia em que a mãe andou com ela pela instituição para mais de meia hora.
A educadora também não conseguia falar muito bem com os pais pois a mãe só falava indiano, já o pai, falava muito pouco de inglês. Assim, a educadora via-se aflita para conseguir explicar a estes pais as dificuldades sentidas pela criança e explicar-lhes, ainda, como deveriam agir na hora da despedida.
Continuação de bom trabalho.
Beijinho,
Ivete Teixeira e Vânia Castro


De mrmo a 21 de Novembro de 2013 às 19:06
Olá meninas :)

Realmente, é mesmo uma situação complicada!

Gostaria de saber se chegaram a falar com a educadora sobre este assunto. Se chegaram a falar, o que é que ela vos dizia.

Não havia ninguém na instituição que falasse bem inglês e pudesse explicar à família da criança a situação que estava a acontecer e a tranquilizasse? A educadora procurou alguém que a pudesse ajudar a resolver esta situação? Pois pelo que compreendi o pai da criança sabia expressar-se oralmente em inglês.

Continuação de um bom trabalho :)
Beijinho.
Márcia Oliveira.


De imgt a 22 de Novembro de 2013 às 22:13
Olá Márcia :)
Falamos com a educadora sobre este assunto, mas pensamos que tal como nós ela também se sentia um pouco perdida.
A mãe não falava outra língua senão o indiano e o pai falava inglês, mas muito pouco. Sendo muito complicado a comunicação entre pais e educadora.
Algumas das vezes que a menina foi ao infantário foi a mãe que a foi levar. Inicialmente tentava acalmar a menina, andando com ela pela instituição, contudo não obteve sucesso ficando a criança a chorar.
Posteriormente, a mãe mudou a forma como deixava a filha, chegava à sala, deixava a menina e saía. A criança chorava mas rapidamente se calava. Depois, soubemos que adoeceu e deixou de frequentar a instituição.
Não sabemos se a mãe mudou o comportamento por iniciativa própria ou por sugestão da educadora.
Beijinhos
Ivete Teixeira e Vânia Castro


Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados



Email

Password


Este Blog tem comentários moderados


Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários