Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Quinta-feira, 14 de Novembro de 2013
Professor reflexivo

            Tendo em conta que estamos numa posição em que devemos refletir acerca de tudo na nossa prática e vamos desenvolver um projeto de investigação-ação no âmbito do ensino pré-escolar e 1ºCEB, partilho com vocês algumas ideias em que tenho andado a pensar, procurando fundamentá-las com autores que de certeza já tiveram oportunidade de ler. 

            Acho que é extrema importância que o educador/professor adote uma atitude crítica e reflexiva sobre os seus próprios métodos/estratégias de ensino. Com isto quero dizer que o professor deve auto questionar-se com o intuito de procurar melhorar as suas competências e excluir os aspetos negativos da sua atividade, tendo sempre em mente o sucesso escolar dos alunos. Um professor é profissional quando investiga a sua forma/método de ensino. Como referencia Stenhouse citado por Alarcão (2001), “o desenvolvimento curricular de alta qualidade, efectivo, depende da capacidade dos professores adoptarem uma atitude de investigação perante o seu próprio ensino” (p. 23). 

Segundo o mesmo autor “…a concepção actual de currículo e de gestão curricular reclama que o professor seja não um mero executor de currículos previamente definidos ao milímetro, mas um decisor, um gestor em situação real e um intérprete crítico de orientações globais” (p. 21). Realço esta afirmação, pois estou inteiramente de acordo com o autor, uma vez que encaro o currículo como um dispositivo mediador. O professor/educador deve ser um construtor do currículo, encarando-o não como um receituário, mas como um instrumento sobre o qual deve refletir e adaptar consoante as necessidades e interesses do grupo, da comunidade, etc…

 

Para Isabel Alarcão, (2001) “Ser professor investigador é ser capaz de se organizar para perante uma situação problemática, se questionar intencional e sistematicamente com vista à sua compreensão e posterior solução” (p. 25). Nesse sentido, surge-me a questão “Porque fazemos investigação?” Para melhorar o nosso conhecimento e o dos outros; para compreender melhor o pensamento educativo; para diagnosticar e ajudar a resolver problemas (de uma prática, de uma organização…); para agir mais adequadamente; e essencialmente para transformar sabendo o porquê. 

            A investigação tem como principal objetivo recolher dados, trata-los, interpretá-los e apresenta-los. Para isso, os professores recorrem preferencialmente a experiências em contexto de sala de aula adotando maioritariamente, registos escritos, análises e comentários do que é observado.

            Para terminar, Isabel Alarcão (2001) procura esclarecer o conceito de professor-investigador através da ligação entre quatro vetores, nomeadamente, qualidade da educação, investigação, desenvolvimento profissional e institucional e inovação. Importa referir que os vetores referenciados têm cada um a sua importância e nenhum deles é indispensável, uma vez que todos se encontram interligados. No entanto, deveremos tomar como ponto principal a qualidade da educação, sendo que a mesma não se faz sem investigação e, consequentemente, desenvolvimento profissional e institucional levando portanto à inovação, constituindo assim um ciclo “vicioso”.

 

             

 

Alarcão, I. (2001). Professor-investigador. Que sentido? Que formação?. In Bártolo Campus (Org.) Formação profissional de professores no ensino superior (pp. 21-30). Porto: Porto Editora.  



publicado por fabianamabrantes às 17:44

4

De mrmo a 19 de Novembro de 2013 às 21:28
Olá :)

Considero que falares do professor reflexivo e investigador é um tema bastante pertinente e que abrange todas nós.

Considero que é fundamental como futuras profissionais da educação refletirmos sobre as nossas práticas, pois segundo Roldão (2009), a capacidade de o profissional refletir sobre a função que desempenha, questionando-se sobre a eficácia da mesma, reorientando-a, através da tomada fundamentada de decisões, corresponde ao pleno exercício de uma profissão. No nosso caso, ao pleno exercício da profissão docente.

A ação reflexiva é, assim, um processo que permite ao educador adquirir e construir novas estratégias, tornando-se um profissional flexível e aberto aos desafios que lhe são constantemente impostos.

Continuação de um bom trabalho!
Beijinho.
Márcia.

Referência bibliográfica:

Roldão, M. C. (2009). Estratégias de ensino: o saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.


De baptista a 21 de Novembro de 2013 às 18:15
Olá Fabiana :)

Colocaste um post interessante porque adotar uma atitude reflexiva e investigadora é algo que diz muito a todas nós.

Refletir sobre as nossas práticas, antes, durante e após e para a ação são reflexões que devemos realizar constantemente ao longo da nossa prática pedagógica e ao longo da nossa formação futura.

Segundo Marques et al (s.d.) “ser professor reflexivo significa ser um profissional que reflecte sobre o que é, e o que realiza, o que sabe e o que ainda procura, encontrando-se em permanente atenção às situações e contextos em que interage” (p. 132).

Um profissional de educação, enquanto profissional de qualidade, deve estar em constante formação e, para isso, é necessário que proceda, com bastante frequência, a uma reflexão sobre as suas práticas. Tal reflexão permitirá ao educador aprofundar os seus conhecimentos.

Considero que é muito importante que o educador adote uma atitude reflexiva e investigadora, sendo capaz de avaliar as suas práticas e ver até que ponto são adequadas às necessidades e aos interesses das crianças, pois serão as suas práticas que condicionarão as aprendizagens das mesmas.

Continuação de bom trabalho.

Beijinho :)

Sandra Baptista.

Referência Bibliográfica:

Marques, M., Oliveira, C., Santos, V., Pinho, R., Neves, I. & Pinheiro, A. (s.d.). O Educador como Prático Reflexivo. Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti.


De ana-resende a 6 de Dezembro de 2013 às 17:32
Olá Fabiana :)

O teu post é interessante, uma vez que, concordando com o que as colegas disseram, a reflexão é uma prática constante na nossa prática pedagógica e futura profissão!
Segundo Oliveira & Serrazina (n.d), o professor
reflexivo é aquele que busca o equilíbrio entre a ação e o pensamento e uma nova prática implica sempre uma reflexão sobre a sua experiência, as suas crenças, imagens e valores.
Assim, gostava de saber se te consideras um professor reflexivo? Porquê? Pergunto isto porque, como estamos ainda a iniciar a nossa caminhada ainda há práticas com as quais nos estamos a adaptar, incluindo refeltir sobre a prática, o contexto, etc... Neste sentido, por vezes, é difícil questionármo-nos acerca do que observamos, acabando por nos acomodar e aceitar aquilo com que nos deparamos.

Beijinho,
Ana Resende

Referência Bibliográfica:
Oliveira & Serrazina (n.d). A reflexão e o professor como investigador.


De fabianamabrantes a 12 de Dezembro de 2013 às 23:20
Olá Ana Resende,
Tal como afirma Sá-Chaves (1998), "a reflexão é um modo de fazer reviver e de fazer a recaptura da experiência com o objetivo de a inscrever num sentido, de aprender a partir dela e de, nesse processo, desenvolver novas compreensões e apreciações" (p. 138).
Na minha opinião, este conceito implica ainda a consciencialização do que se pensa acerca do que se faz ou fez e sobre o que envolve essas ações. Contudo, não se pretende apenas repensar acerca daquilo que passou, mas sim a procura de soluções lógicas e racionais para os problemas, envolvendo a emoção, a intuição e a interação. Tal como afirma Alarcão (1996),

só após a descrição do que penso e do que faço me será possível encontrar as razões para os meus conceitos e para a minha atuação, isto é, interpretar-me e abrir-me ao pensamento e à experiência dos outros, para no confronto com eles e comigo próprio, ver como altero – e se altero – a minha praxis educativa (p. 182).

Procuro sempre refletir na ação e refletir sobre a ação e por isso considero-me uma pessoa reflexiva. Em relação à primeira, posso afirmar que esta implica uma reflexão no decorrer da ação, não sendo necessário interrompê-la, pudendo reformulá-la durante a sua realização, tal como acontece na interação verbal em situação de conversação. Relativamente à reflexão sobre a ação é pressuposto existir um distanciamento da ação, sendo esta reconstruída mentalmente para ser analisada retrospetivamente.


Alarcão, I. (1996). Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora.
Sá-Chaves, I. (1998). Porta-fólios - no fluir das concepções, das metodologias e dos instrumentos. Em L. S. Almeida, & J. Tavares , Conhecer, aprender, avaliar (pp. 135-141). Porto Alegre.




Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post