Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Sábado, 12 de Janeiro de 2013
Dinamização de Redes Online Vs. Papel dos Alunos

                O desenvolvimento da tecnologia, nomeadamente dos meios de informação e comunicação, contribuiu significativamente para o avanço pessoal, profissional e económico à escala mundial. Com o surgimento da internet o mundo sofreu uma revolução no que concerne à área da comunicação, pois “a internet atinge o singular da sociedade: permite-nos estar onde queremos, quando queremos e fazê-lo de forma activa e reactiva, ou seja, em interactividade é constante. Ela funciona como uma “semente digital” (Almeida, 2004:155), a cada clique nasce um novo “fruto”, mais uma informação”. (Marques, 2009: 34).

Segundo a UNESCO, a internet veio ajudar os cidadãos a desenvolver e praticar mais as suas capacidades de comunicação e aptidões cognitivas, “demonstrando que os indivíduos não são recipientes passivos, mas capazes de constituírem comunidades virtuais de forma bastante autónoma.” (UNESCO, 2005:77). Assim, também Silva afirma que “o aluno é um individuo ativo e autónomo, responsável por sua própria aprendizagem, com capacidade de analisar criticamente as informações e de elaborar seus próprios conceitos e opiniões. O aluno trabalha em equipe, trocando conhecimentos com outros alunos e com o professor. Estuda para aprender e não para ser aprovado.” (Silva, 2009: 77, 78).

No que concerne à área da Educação, é importante referir que “a utilização das tecnologias ao serviço de educação é um tema actual, mas não novo”. (Marques, 2009: 34). Efetivamente é atual e cada vez mais necessário para as nossas rotinas diárias, tanto pessoais como profissionais e, por isso, tornou-se fundamental introduzir as tecnologias de informação e de comunicação na educação, as chamadas TIC.

Segundo Raquel Marques, “os jovens aderiram facilmente TIC e são os maiores utilizadores da Internet, sentindo-se extremamente confortáveis a lidar com a Internet e com as novas formas de aquisição de informação e comunicação que ela proporciona. Os discentes, ao procurarem informação nesta grande rede, são obrigados a separar a informação que lhes aparece ao longo de todas as ligações que vão fazendo. Eles têm de ser suficientemente críticos para diferenciar a boa informação da má informação. Dessa forma, o trabalho de pesquisa torna-se produtivo, existindo a possibilidade de aprendizagem significativa. “Aprender a buscar o que se precisa, ao invés de simplesmente esperar que alguém venha a dar o que se deseja, é de fato muito importante (…) uma vez que a cultura e a economia atuais e certamente do futuro estarão voltadas para o conhecimento” (Souza, 2002:11).” (Marques, 2009: 40). Desta forma, “os alunos podem deixar de ser seres isolados para fazerem parte de uma rede humana”. (Marques, 2009: 44). A internet, nomeadamente comunidades virtuais como o facebook, o hi5, o msn ou o blog ajudam as crianças e jovens a desenvolver as suas capacidades de comunicação e convivência. São este género de sítios que podem, por um lado, ser promotores de novas aprendizagens e, por outro lado, podem igualmente constituir um elevado risco, nomeadamente para a segurança essencialmente das crianças cuja inocência e imaturidade conduzem a que, na maioria das vezes, sejam enganadas e aliciadas.

Contudo, com base nas pesquisas efetuadas, consideramos importante salientar que os alunos não aprendem apenas o que lhes é ensinado nas aulas de TIC ou de informática. Na verdade, “os jovens de hoje, alunos, são o futuro e já fazem parte deste novo mundo, eles cresceram nele e estão aptos a desenvolver-se nele. (…) Os discentes estão aptos para desenvolver competências digitais, mas os docentes parecem inaptos para ajudar no desenvolvimento, pela primeira vez, temos uma geração de professores com menos literacia digital que a geração de alunos”. (Marques, 2009: 39). Os jovens aprendem também através das comunidades virtuais, pois nestas podem “recriar ambientes que ajudem a valorizar o prazer em construir o seu processo de aprendizagem”. (Marques, 2009: 45). Através da internet os alunos têm a possibilidade de construir o seu próprio conhecimento através das pesquisas realizadas e da muita informação que podem recolher e selecionar sobre determinada temática.

O e-learning revelou-se uma ferramenta extremamente importante no processo de ensino e de aprendizagem, pois permite a partilha de documentos quer por parte do docente quer do aluno e é um meio de comunicação aluno-professor mesmo a longas distâncias. Segundo Silva (2009), “começou a ter impacto nas instituições de ensino superior em Portugal no final do século passado” (Silva, 2009: 23) e, efetivamente cada vez mais as plataformas de e-learning têm ajudado os alunos nas suas aprendizagens e os docentes na promoção das mesmas.

Num ambiente virtual de aprendizagem (AVA) “ a autonomia do aluno é condição indispensável, caracterizando-se como o desenvolvimento das capacidades de pesquisar, de organizar-se e de pensar de forma crítica e independente (Pontes, 2000)”. (Silva, 2009: 81). Assim, através do Ensino à Distância (EAD), o aluno poderá:

 

No que concerne à sua própria aprendizagem, o aluno deverá ser autónomo, ativo e colaborativo. Por sua vez, no que respeita às atitudes e ao comportamento na sua generalidade, o aluno deverá estar aberto a novas ideias e perspetivas, manifestando gosto pelos estudos e demonstrando espírito de iniciativa e de autodisciplina. Da mesma forma, o aluno deverá também ser capaz de respeitar os colegas e saber tirar partido de debates, críticas ou sugestões resultantes da interação com os mesmos.

Assim, nesta aprendizagem online, o aluno deverá desempenhar um papel ativo na construção do conhecimento, de forma a desenvolver as suas capacidades, ultrapassando as dificuldades e obstáculos que possam surgir. Neste sentido, o aluno deverá empenhar-se ao máximo, organizando a informação recolhida e selecionando a que considerar relevante para a sua autoaprendizagem. O trabalho colaborativo entre os alunos é deveras estimulante, pois facilita a existência de uma constante (auto)reflexão que, por sua vez, permite a partilha de ideias, opiniões e críticas.  

Em suma, consideramos que as comunidades virtuais, cada vez mais utilizadas por miúdos e graúdos e mais ou menos direcionadas para a educação, constituem um importante meio de aprendizagem e reflexão.

 

Beijinhos,

Ana Cláudia e Cátia Lopes.

 

 

Bibliografia

 

Webgrafia

 



publicado por silva-santos às 15:20

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post