Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2012
Contacto com os encarregados de educação

 Olá meninas!

Esperamos que o estágio tenha corrido bem a todas.

Neste post iremos abordar uma nova experiência que tivemos este semestre, a participação nas reuniões de pais e de avaliação. Vocês também puderam participar em alguma? Quando? Neste semestre ou no semestre anterior?

Gostariamos que também partilhassem connosco essa vossa experiência. Mesmo as que não tiveram essa oportunidade também poderão participar referindo por exemplo quais as aprendizagens que poderiam ter adquirido ao participarem também numa experiência destas, ou outros aspetos que achem relevantes para todas.

Reunião de pais

Começamos por ter que preparar a reunião de pais. Confessamos que no início foi um pouco complicado, e foi um grande desafio, pois não tinhamos a mínima ideia de como preparar uma reunião, o que preparar nem como falar com os pais e/ou encarregados educação, ou seja, tivemos um conflito interior muito grande, mas com a ajuda da educadora (orientadora cooperante) tudo se tornou mais fácil e foi possível de concretizar.

No dia 6 de Dezembro, realizou-se a referida reunião da sala de Jardim de Infância onde estavamos a desempenhar a nossa prática pedagógica. Fomos para uma sala de aulas do 1º ciclo com quadro interativo para que fosse possível apresentarmos uma parte da reunião preparada por nós (estagiárias) e também porque esta era mais própria para recebermos os pais e/ou encarregados de educação e para que estes se pudessem instalar comodamente. Nesta reunião participaram a educadora de infância responsável da sala, a auxiliar de ação educativa, as duas estagiárias que se encontravam a intervir no momento na sala de atividades (nós – Sara e Joana) e também, como sem eles não fazia sentido, os pais e/ou encarregados de educação, dos quais três são representantes da associação de pais do Centro Escolar em questão.

A reunião apresentou a seguinte ordem de trabalhos:

1- Leitura da ata da anterior reunião de pais - para conferir se todos os encarregados de educação estavam de acordo com a mesma e a par dos assuntos tratados;

2- Apresentação dos objetivos didáticos do Jardim de Infância – onde se fez uma breve apresentação dos objetivos didáticos do jardim, em que se explicou sumariamente um pouco da organização do ambiente educativo do mesmo, falando-se das rotinas diárias e da sua importância no desenvolvimento das crianças relativamente às várias áreas e domínios contemplados nas Orientações curriculares para a educação pré-escolar.

3- Apresentação de um vídeo de retrospeção da atividade das crianças do Jardim de Infância no período decorrido – onde se podia visionar uma compilação fotográfica do primeiro período do ano letivo, que pretendia mostrar aos encarregados de educação um pouco do percurso dos seus educandos ao longo deste tempo;

Para estes dois últimos pontos, fomos nós, estagiárias, que participamos mais ativamente. Como já referimos, preparamos uma apresentação em powerpoint onde explicitavamos o que se promove na sala de Jardim de Infância (JI) em questão fazendo sempre a ligação com as rotinas que se realizam na mesma, de forma a dar a entender que todos os momentos vividos no JI são importantes para uma criança e ensinam-lhe muito, pois não é preciso estarmos formalmente a desenvolver uma atividade para que as crianças estejam a aprender algo, também no brincar socialmente espontâneo a criança aprende. Preparamos, também, um vídeo com uma compilação de fotografias onde os pais podiam visualizar os seus filhos em atividades e a realizarem as suas brincadeiras, pois concordamos com o ditado popular que diz “Uma imagem vale mais que mil palavras”.

 4- Recolha de roupas não identificadas e que se encontravam perdidas;

5- Balanço sobre a frequência da piscina pelas crianças – aqui discutiu-se a frequência das crianças e a sua adaptação à atividade, fazendo-se um balanço positivo;

6- Outros assuntos do interesse dos pais e encarregados de educação – onde se deu abertura para que os vários encarregados de educação pudessem discutir outras temáticas que ainda não tivessem sido abordadas na reunião, tendo-se assim referidoo problema dos piolhos. Alguns dos presentes demonstraram o seu desagrado pelo facto de os filhos ficarem infestados a partir de outros focos não tratados e nomeadamente devido ao preço elevado dos tratamentos de desinfestação.

Falou-se ainda sobre a associação de pais, que apresentou um pouco dos seus objetivos, que são no fundo proporcionar a todas as crianças as melhores condições possíveis. Pediu também o apoio dos presentes, dentro das possibilidades de cada um.

Esclareceram-se ainda algumas questões relativas à festa de natal, como a indumentária das crianças, o jantar e o custo do mesmo assim como o horário, e ainda a realização de um leilão e do sorteio de rifas no final da festa, para angariação de fundos para a associação de pais.

 

Reunião Individual de avaliação

A reunião de entrega individual das avaliações decorreu no dia 20 de Dezembro na própria sala de atividades do Jardim de Infância.

Nesta reunião, a educadora reuniu pessoalmente com o/os encarregado(s) de educação de cada criança. Assim, discutiu-se as particularidades de cada um de forma mais privada e específica, de forma a que cada encarregado de educação possa acompanhar o melhor possível o percurso do seu educando. Foi, também, entregue a respetiva ficha de avaliação, que contempla o nível de desenvolvimento individual nas diversas áreas e domínios das Orientações curriculares para a educação pré-escolar (OCEPE). Esta foi vista de forma mais minuciosa com os encarregados de educação das crianças que frequentam pela primeira vez a sala de atividades.

Os assuntos discutidos recaem sobre os interesses, as necessidades e dificuldades mais significativas de cada criança, discutindo-se um possível caminho para o futuro, isto é:

“Em que sentido será que nós (educadora e encarregados de educação), em conjunto, poderemos actuar para ajudar a nossa criança a evoluir e/ou a ultrapassar possíveis dificuldades ou obstáculos?”

Um dos aspetos que consideramos muito importante nesta reunião é o facto de os encarregados partilharem, muitas vezes, com a educadora alguns dos seus receios e anseios relativamente aos seus educandos. Esta partilha pode ser esclarecedora tanto para os encarregados de educação, como para a educadora, que poderá também apaziguar os próprios pais.

Para prepararmos esta reunião começamos por pedir à educadora que nos facultasse a ficha de avaliação do desenvolvimento base, para que assim os nossos balanços/avaliações fossem mais ao encontro do que era pretendido pela própria. Com as informações que tinhamos de todo o semestre, fizemos o preenchimento da respetiva ficha para cada criança e entregamos à educadora. O que pudemos constatar é que, como era a nossa primeira vez a fazer este tipo de avaliações, as fichas que nós preenchemos, comparativamente com as da orientadora cooperante, estavam com informações muito mais rigorosas e seguidas à risca pelo documento das Orientações Curriculares para a educação pré-escolar (OCEPE) tornando-se um pouco mais abstratas, enquanto que as da educadora estavam muito mais acessíveis, simples e que retratam em pleno as capacidades e/ou dificuldades que cada criança vivia no dia a dia na “nossa” sala de atividades. Tornando-se assim mais fáceis de interpretar pelos próprios pais. Posto isto, a preparação da reunião foi também importante, pois permitiu-nos olhar para os nossos erros ou complicações e preparar-nos para futuras experiências no mesmo campo. Foi-nos possível assistir também à própria reunião e ter, assim, a perceção de como a educadora se dirige aos pais e como os coloca a par de determinados aspetos menos positivos que os seus filhos tenham, dando-nos uma ideia de como nós próprias nos devemos posicionar em relação aos pais e/ou encarregados de educação.

 

Joana e Sara


tags: , ,

publicado por coutinho-pereira às 20:14

7

De dominique-carocho a 4 de Janeiro de 2013 às 07:00
Olá meninas.
Com grande pena minha, nunca tive oportunidade de participar numa reunião de pais, considero-a sem duvida um elemento fundamental no nosso processo de aprendizagem. Aposto que retiraram destes momentos grandes aprendizagens que vos ajudarão no futuro.
O facto de terem ficado com dois pontos da reuniao para apresentaram é muito gratificante, principalmente o primeiro, pois para explicarem aos pais a importância de umas actividades em detrimento de outras (actividades livres vs. Actividades orientadas) é necessário que se fundamentem teoricamente e postoque já ofizeram uma vez para esta reunião de pais, no futuro ser-vos-à muito útil.
Tenho sinceramente muita pena de não ter tido essas grande oportunidade de orendizagem que vocês tiveram e que no meu entender souberam aproveita-lá da melhor forma.
Beijinhos
Dominique


De amramos a 5 de Janeiro de 2013 às 00:44
Olá Sara e Joana!
Do nosso ponto de vista, também pensamos que o contacto do professor/educador com os encarregados de educação (EE) é importante, uma vez que somos parceiros na educação das crianças. Por esse motivo, e porque faz parte da vida escolar, portanto, da rotina de um professor ou educador, tanto no ano passado (pré-escolar), como este ano (1.º ciclo) procurámos participar nas reuniões de EE, pedindo autorização para estarmos presentes nessas reuniões. Aliás, este semestre também pedimos para participar numa reunião de professores (Conselho de Ano), que nos foi concedida.
Quanto à reunião de EE, observámos, sobretudo as dinâmicas da professora/educadora, as questões que lhe eram colocadas, as preocupações que lhe eram apresentadas e a forma como a professora/educadora respondia.
À semelhança da vossa intervenção, também nos foi solicitado que fizéssemos uma apresentação aos EE, que fosse representativa de todo o trabalho realizado com as crianças ao longo do semestre. Optámos, sempre, por construir um vídeo que, pela imagem e som, procurasse demonstrar o benefício que as crianças retiraram do nosso trabalho conjunto.
Quanto à reunião de Conselho de Ano, o painel era constituído por todos os professores do 3.º ano do Agrupamento e os pontos principais da ordem de trabalhos foram a análise dos resultados das fichas de avaliação intermédias do 1.º Período, a tomada de decisão das datas das avaliações sumativas e a construção das respetivas fichas.
Todas estas vivências foram importantes para a construção da nossa identidade profissional na medida em que nos fizeram refletir sobre o posicionamento de um professor/educador perante situações extracurriculares mas que, de alguma forma, afetam o funcionamento da sua sala.
Beijinhos e Bom trabalho!
Alexandra e Ana Catarina.


De soniagfsantos a 8 de Janeiro de 2013 às 13:57
Olá Sara e Joana,
Também nós tivemos a experiência de participar em reuniões de pais, tanto no contexto de Pré-Escolar, assim como no 1.º Ciclo. Foram experiências distintas, até porque a interação com os pais no dia-a-dia é completamente diferente. No contexto de Pré-Escolar fomos conhecendo os pais ao longo do período da prática pedagógica, uma vez que estes acompanhavam os filhos à sala, conversavam com a educadora e connosco e existia uma interação e cumplicidade maior. Fomos convidadas a participar numa reunião de final de ano e preparámos uma apresentação PowerPoint para a mesma. Dessa apresentação constou um breve resumo do projeto que desenvolvemos e que se relacionava com um projeto de Agrupamento em que o grupo já estava inserido. Assim, abordámos a identificação dos pontos fortes e fracos do contexto; a emergência do projeto e os objetivos traçados e fizemos uma breve descrição das atividades realizadas. Por fim, apresentamos também um vídeo com entrevistas de grupo às crianças sobre o projeto.
Já no 1.º Ciclo tivemos uma reunião com os pais para apresentarmos os projetos de intervenção-investigação a desenvolver. Para essa reunião, preparámos também uma apresentação PowerPoint sobre a emergência dos mesmos, os objetivos, bem como algumas propostas de atividades, em que procurávamos envolver os pais. Este foi o nosso primeiro contacto com os pais da turma, uma vez que não os conhecíamos e foi importante ter acontecido pois foi facilitador das interações que viríamos a desenvolver no futuro. No final do ano, estivemos presentes na entrega das avaliações, onde pudemos observar a dinâmica destas situações e conversar com alguns pais, sobretudo acerca do projeto desenvolvido. Para essa reunião preparámos um dvd com todas fotografias da prática pedagógica, assim como um vídeo de uma performance artística realizada pela turma, que oferecemos a cada criança e sua família. Esse dvd foi sendo projetado durante a reunião.
Para além destas experiências, e ainda relativamente à interação com os pais, destacamos ainda que, tanto num contexto com noutro, a dinamização do blogue da turma foi um elemento importante de comunicação entre a escola e as famílias. Esse estreitamento de relações é importante pois os pais sentem-se mais envolvidos com o quotidiano dos seus filhos na escola e a escola beneficia com as opiniões e sugestões que os pais vão dando. Para além disso, e neste segundo momento de prática pedagógica, criámos desafios que envolviam pais e filhos, o que acabava por implicar todos no processo de construção do conhecimento e, muitas vezes, mobilizar os conhecimentos desenvolvidos para o dia-a-dia dos alunos e suas famílias. Julgamos, por isso, que os momentos de partilha entre a escola e a família devem ser fomentados de modo a que se possam construir aprendizagens mais significativas e marcantes para as crianças.
Continuação de bom trabalho!
Filipa e Sónia.


De cristiana-amorim a 31 de Janeiro de 2013 às 19:11
Olá Sara e Joana,

Durante este semestre apenas tivemos a oportunidade de assistir a uma reunião de educadoras de departamento pré-escolar sendo que envolvia várias educadoras de vários jardins-de-infância do agrupamento em questão. A educadora responsável pelo contexto onde nos encontrávamos inseridas convidou-nos e considerámos que seria uma mais valia para nós pois nunca tínhamos assistido a nenhuma reunião até então e gostaríamos de saber como seria. Nesta reunião a educadora coordenadora do pré-escolar informou o objetivo da mesma e foram discutidos alguns assuntos.
Relativamente a reuniões com encarregados de educação infelizmente nunca tivemos essa oportunidade mas seria fundamental para nós enquanto futuras educadoras e/ou professoras percebermos como é que a educadora que dirigia aos mesmos, quais as preocupações dos encarregados de educação e como a educadora reagia a isso. O único contacto que tivemos com os encarregados de educação foi no momento em que estes iam levar e buscar as crianças ao jardim-de-infância.
Consideramos que o facto de terem tido a oportunidade de participarem em reuniões constituiu-se uma mas valia para vocês enquanto futuras profissionais de educação pois ficaram com uma visão global de como “as coisas” se fazem e constituiu-se um momento de aprendizagens significantes. Pensamos que todos os grupos deviam ter tido a oportunidade que vocês tiveram pois iremos lidar com essas situações na nossa vida profissional.

Bom trabalho!
Cristiana e Sónia


De coutinho-pereira a 2 de Fevereiro de 2013 às 16:37
Sim, de facto eu também considero que todas deveriam ter a possibilidade de viver essa experiência, já que a educação das crianças se deve fazer o mais possível em parceria com os encarregados de educação, que são os primeiros responsáveis pela educação das mesmas.
No entanto, acho que os momentos em que vão deixar ou buscar as crianças também têm a sua importância, pois também é um momento de contacto entre o educador e os mesmos, sendo momentos propícios para colocar questões ou passar informações importantes, para além de que esse contacto acontece com muito mais frequência do que as reuniões de pais, permitindo uma constante atualização das informações e dos acontecimentos relevantes sobre a vida da crianças quer no jardim, quer em casa.

Continuação de bom trabalho,
Joana


De cristiana-amorim a 3 de Fevereiro de 2013 às 09:38
Olá Joana!

Concordamos contigo quanto à importância do contacto com os encarregados de educação no momento em que estes levam e vão buscar as crianças ao jardim-de-infância. Consideramos que todos os momentos são bons para conversar com os encarregados de educação e não é necessário fazer reuniões sempre que se quer tratar um determinado assunto. Na verdade, e como referes, estes momentos são fundamentais dado que permitem uma atualização constante das informações acerca das crianças.

Bom trabalho!
Cristiana e Sónia


De claudia-rosa a 3 de Fevereiro de 2013 às 10:56
Bom dia meninas.

De facto, não tivemos a oportunidade de experienciar uma reunião com os encarregados de educação.
No entanto, consideramos que seria deveras importante. Afinal de contas, quando formos "a educadora" de um grupo teremos essa responsabilidade e como sabemos não é na universidade que nos ensinam a dinamizar uma reunião desse género.

Contudo, consideramos que este post muito tem a ver com o nosso último que fala da importância da interação com as famílias.

Continuação de um bom trabalho,
Cláudia e Sara


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post