Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012
Situação observada - importante refletir

 

Na semana passada fomos visitar os nossos meninos do ano passado (Pré-escolar). Estivemos a falar com a educadora e apercebemo-nos que os meninos que passaram para o 1º ano não estão a ter tanto sucesso como seria de esperar.
 
A educadora sempre trabalhou muito com os seus alunos, explorando com eles diversas áreas que proporcionam uma melhor preparação para a entrada no 1º ciclo.
 
Analisando e comparando esta situação com a experiência que tivemos no início deste ano com a entrada de crianças para o 1º ano surgiram-nos algumas questões que gostaríamos de partilhar com vocês e de saber também as vossas opiniões. No fundo deparamo-nos com esta situação e achámos importante refletir sobre ela e partilhar convosco.

 

A realidade do 1º ano no início do ano letivo, como em todos os outros anos e ciclos, varia de acordo com o contexto e com os alunos. Cada aluno tem um nível de desenvolvimento, um ritmo de aprendizagem diferente. A acrescentar a estes aspetos se, como era o nosso caso, os alunos vierem de jardins-de-infância diferentes, o professor tem ainda que ter em conta que nem todos os alunos trabalharam os mesmos conteúdos e os que trabalharam pode não ter sido da mesma forma; que uns alunos podem estar mais desenvolvidos numa área do que outros.
 
Tendo tudo isto em consideração, o professor do 1º ano tem de trabalhar as bases, a propedêutica com os alunos. O que pode ocorrer aos alunos que já estejam mais desenvolvidos se desmotivados com estas estratégias e regridam um pouco. Isto pode levar a que os resultados não sejam os esperados nestes alunos.
 
Na nossa opinião, algo que ainda é realidade no nosso país e que nem sempre é benéfico são as salas de aula com anos de escolaridade distintos. No caso que referimos no início do texto, a sala comporta uma turma de 1º ano e outra de 4º ano, sendo que a de 1º é reduzida. Nesta situação acreditamos que o professor deverá ter uma maior preocupação com os alunos do 4º ano, uma vez que estes terão provas e precisam de ser preparados para o ciclo seguinte. Contudo, o professor poderia rentabilizar os conhecimentos destes alunos para motivar e ajudar os alunos do 1º ano.
 
Tendo em consideração os professores que estão neste momento a exercer a profissão, e sabendo que muitos deles não têm os conhecimentos que nós temos em relação ao pré-escolar, acham que é benéfico para as crianças prepará-las tanto no pré-escolar sabendo que depois no 1º ano os professores irão regredir um pouco nos conteúdos a ensinar e assim desmotivam os alunos?
 
Do nosso ponto de vista, o professor do 1º ano deveria inicialmente fazer o diagnóstico dos conhecimentos e desenvolvimentos da turma para depois, se necessário, organizar a turma em grupos (podiam estar formados/definidos no espaço ou não) com diferentes níveis e adaptar as atividades a cada grupo, sendo que estaria a trabalhar o mesmo conteúdo. Caso os alunos conseguissem atingir o mesmo nível de desenvolvimento voltaria a trabalhar da mesma forma com toda a turma. Assim não desmotivaria nenhum aluno, uma vez que as atividades seriam adaptadas.
 
O que achamos crucial é que o professor seja flexível, se adapte aos alunos, aplique diversas estratégias adequadas aos alunos, e que para além de trabalhar com a turma como um todo (o que também é importante) trabalhe também com cada aluno em particular tendo sempre em atenção e consideração os conhecimentos que este já adquiriu. O professor deve partir sempre daquilo que o aluno já sabe.
 
Por tudo isto, consideramos que é importante preparar bem as crianças no pré-escolar para que no 1º ano não tenha tantas dificuldades e o professor possa consolidar melhor os conteúdos.

 

Aguardamos as vossas opiniões.
 
Ana Lisete e Ana Margarida

tags: , , , , , ,

publicado por anagama às 17:37

4

De catiaduarte a 25 de Dezembro de 2012 às 17:26
Olá meninas,

Realmente é uma situação complexa e que dá sempre que pensar. Não tenho muita experiência com esse ano letivo mas concordo com vocês quando referem que o Professor deve adaptar as suas metodologias aos alunos, isto é, quando necessário o professor deve implementar algumas diferenciações pedagógicas para que todos os alunos tenham as mesmas oportunidades de desenvolvimento. Contudo, defendo sempre uma educação inclusiva. Como afirma a Unesco é necessário que se reconheça que "a educação inclusiva é um processo contínuo que visa oferecer uma educação de qualidade para todos, embora respeitando a diversidade e as diferentes necessidades e capacidades, as características e as expectativas de aprendizagem para os alunos e as comunidades.” (UNESCO, 2008)

Como Afirma Manuel Nunes, num dos meus livros preferidos,
“É preciso saber ensinar a aprender. O bom professor não é o que apenas sabe explicar bem, o que apenas sabe ensinar bem, mas sim aquele que sabe ensinar o aluno a aprender (…) aquele que, em todas as circunstâncias, favorece as aprendizagens dos alunos, aquele com quem os alunos aprendem a aprender, aquele que revela e desvela (ajuda a tirar o véu que encobre) o caminho que o aluno deve percorrer na auto descoberta do Mundo e da vida.”
(NUNES, 2003, pp. 28)

Referências bibliográficas:

NUNES, Manuel; (2003) Professor, ensine-me a dar aulas – Cadernos do CRIAP. Edições ASA. Porto;
UNESCO. (2008). Educação Inclusiva: o Caminho do Futuro. Conclusões e recomendações da 48ª sessão da conferência internacional de educação da Unesco. Genebra: UNESCO.


De claudiarmarques a 26 de Dezembro de 2012 às 22:07
Olá!
Ao ler o vosso post não consegui ficar indiferente a esta temática, uma vez que penso ser bastante importante existir uma articulação entre o pré-escolar e o 1º ciclo.
Na minha opinião o pré-escolar acima de tudo serve para ajudar as crianças no seu desenvolvimento, serve para as ajudar a descobrir o mundo que as rodeia de uma forma lúdica e divertida. Muitos jardins-de-infância possuem livros de atividades para as crianças com 5/ 6 anos se irem preparando para o 1º ciclo, sou muito sincera, não concordo em nada com estes livros. Podemos preparar as crianças de muitas outras formas, já lhes chega ter que mudar completamente de rotinas e de hábitos quando passam para o 1º ciclo, e por isso penso não ser necessário sentar as crianças numa mesa e pedir-lhes para realizar as atividades dos livros durante uma tarde, quando a sua vontade é brincar com os restantes colegas.
Com isto não pretendo afirmar que não seja necessário haver uma preparação prévia das crianças para que a mudança não seja demasiado drástica, mas a melhor forma de adaptação, segundo o meu ponto de vista, deve ser feita em articulação com o 1º ciclo. As crianças do pré-escolar devem passar algum tempo no 1º ciclo, perceberem como as coisas funcionam, e irem-se adaptando a uma nova realidade.
Concordo que de facto as crianças devem transitar para o 1º ciclo já com algumas competências adquiridas, mas não nos podemos esquecer que cada criança tem o seu próprio ritmo de desenvolvimento, por isso, por melhor que se prepare as crianças no pré-escolar, existirão sempre casos onde a aprendizagem è mais lenta, e por isso compete ao professor do 1º ciclo, organizar a sua estrutura de trabalho da melhor forma.
Na minha opinião o professor do 1º ciclo deve numa primeira fase avaliar os conhecimentos e as capacidades de cada aluno, e depois organizar grupos de trabalho onde as crianças mais desenvolvidas possam ajudar as que apresentam mais dificuldades, pois desta forma todas estão em constante aprendizagem.


De cristiana-amorim a 30 de Dezembro de 2012 às 21:49
Olá Ana Lisete e Ana Margarida!

Concordamos com vocês quando referem que cada aluno tem um nível de desenvolvimento e um ritmo de aprendizagem diferente. De facto, todos somos diferentes, cada um de nós é um ser único e irrepetível e, como tal, tem as suas especificidades. Neste sentido, cabe ao educador e professor conhecer bem os seus alunos por forma a poder conceber estratégias facilitadoras de aprendizagens e que tenham em conta essas especificidades. Por vezes não é fácil e ainda mais quando se trata de uma turma como diferentes anos de escolaridade.
Achamos que é importante preparar as crianças para a entrada no 1.º ciclo pois assim estas têm mais possibilidades de sucesso. No entanto, na entrada para o 1.º ciclo cabe ao professor estar atento e conhecer bem as capacidades dos seus alunos para poder intervir junto deles de uma melhor forma. Se um aluno é mais desenvolvido do que os outros é importante que o professor conceba estratégias adequadas para esse aluno. Não o deve impedir de avançar na construção do seu conhecimento mas deve criar as melhores condições para o fazer progredir nessa construção.
Neste sentido, concordamos com vocês quando referem que “o professor do 1º ano deveria inicialmente fazer o diagnóstico dos conhecimentos e desenvolvimentos da turma para depois, se necessário, organizar a turma em grupos com diferentes níveis e adaptar as atividades a cada grupo, sendo que estaria a trabalhar o mesmo conteúdo”. Pensamos que desta forma o professor consegue atender às necessidades de todos os seus alunos e estes não correrão o risco de ficarem desmotivados.
Concordamos também que os professores, assim como os educadores, devam ser flexíveis com o seu grupo e que desenvolvam estratégias que partam dos interesses, necessidades e conhecimentos das crianças. Desta forma, a probabilidade de as crianças conseguirem realizar aprendizagens mais significativas é mais elevada, o que é favorável para todos.

Beijinhos,

Cristiana e Sónia


De amramos a 7 de Janeiro de 2013 às 22:39
Olá Lisete e Margarida!
A situação que descrevem e sobre a qual refletem também nos preocupa. Apesar de não ter sido esse o nosso contexto, temos contactado com algumas professoras que lidam com turmas com diferentes anos de escolaridade, o que, de facto, não é uma situação fácil de gerir.
A opção de trabalho diferenciado parece ser uma boa opção até porque, atualmente, perante a evolução científica e tecnológica a que assistimos, a necessidade da formação global do aluno com vista ao seu sucesso pessoal na sociedade em que se insere assume uma importância vital, sob pena de estarmos a promover, ainda que de forma camuflada, a exclusão escolar que pode conduzir à exclusão social (Morgado, 2001).
Neste âmbito é fundamental que qualquer professor/educador conheça o que é esperado, globalmente, para os alunos em cada nível de ensino, tendo em conta os respetivos níveis de desenvolvimento, para que os alunos realizem uma adequada transição entre os diferentes ciclos e tenham sucesso escolar e social.
Recordamos a nossa experiência do pré-escolar, em que observámos que as crianças mais velhas já sabiam copiar frases, identificar o seu nome, distinguir letras de números, escrever no computador (com ajuda), até percebiam quando não líamos, propriamente, determinada página em algumas histórias! As crianças sabem imenso e temos de potenciar o que elas sabem para as ajudar a construir conhecimento sobre o que ainda não sabem, ou seja, trabalhar na denominada Zona de Desenvolvimento Proximal de Vygotsky, qualquer que seja o nível de ensino.
Retomando a vossa questão inicial, do nosso ponto de vista, tendo em conta o que observámos no pré-escolar e no 1.º ciclo (3.º ano), consideramos que no pré-escolar é importante trabalhar conteúdos, mas também é necessário trabalhar atitudes e valores, nomeadamente, a autonomia, a capacidade de realizar escolhas, a curiosidade, o espírito crítico, no fundo, a capacidade de “refletir sobre”, uma vez que a reflexão «tem [-se] revelado eficiente no estudo de textos, na compreensão da leitura, na evocação e retenção do conhecimento, na compreensão escrita e na resolução de problemas.» (Silva, 2000: 68).
Assim, se uma criança for suficientemente autónoma e reflexiva, talvez isso a auxilie a, mais, rapidamente, “recuperar” de alguma regressão, no que respeita à aprendizagem de conteúdos, uma vez que se adaptará com mais facilidade a um contexto diferente.
Beijinhos e Bom trabalho,
Alexandra e Ana Catarina

Referências bibliográficas:

1. Morgado, J. (2001). A Relação Pedagógica: Diferenciação e Inclusão (2.ª edição). Lisboa: Editorial Presença.

2. Silva, E. (2000). Gestão pedagógica da heterogeneidade na sala de aula. Aveiro: Universidade de Aveiro/Departamento de Ciências da Educação.


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post