Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012
Caraterização do Contexto SP1

 

 

Como ainda só tínhamos referido que estamos numa turma de 1º ano com 21 alunos decidimos agora com mais calma apresentar de uma forma breve mas mais detalhada o contexto em que estamos inseridas.
 
Estamos na Escola do Solposto, na turma de 1º ano. Esta escola pertence ao Agrupamento de Escolas de S. Bernardo.
 
 A turma é composta por 8 meninas e 13 meninos. As suas idades variam entre 5 e 7 anos, tendo 3 alunos com 5 anos (2 meninas e 1 menino), 13 alunos com 6 anos (6 meninas e 7 meninos) e 5 com 7 anos (meninos). Destacamos um aluno com necessidades educativas especiais (7 anos) e outro que está ao abrigo do despacho normativo nº 50/2005 (6 anos).
 
A grande maioria dos alunos vive em Santa Joana, tendo também um bom número de alunos a viverem no Solposto, S. Bernardo, Glória e alguns em Aveiro. Consequentemente, os alunos que constituem a turma vieram de diferentes jardins-de-infância.
 
Analisando de uma forma global, a turma tem um comportamento razoável sendo que em alguns momentos verifica-se alguma agitação; a nível de atenção cerca de metade da turma tem maiores períodos de atenção; a grande parte da turma evidencia interesse na conquista de novos conhecimentos, aspeto visível nas perguntas constantes sobre que número ou letra novos iam aprender; quanto ao empenho por parte dos alunos verificámos que fica um pouco aquém das nossas expetativas.  
 
Relativamente a aspetos menos positivos, os alunos têm dificuldades ao nível da motricidade fina, como no simples pegar do lápis para escrever, os movimentos são perros e as mãos não se soltam para fazerem as deslocações subtis da escrita; e ao nível da linguagem, mais concretamente na dicção de algumas palavras. Também nos pudemos aperceber que são crianças com um nível de autonomia pouco desenvolvido para as suas idades. Outra questão que em alguns alunos nos parece que não foi trabalhada corretamente ou tempo suficiente prende-se com o sentar-se corretamente numa cadeira para trabalhar na mesa, não tendo uma postura correta. Também na questão da lateralidade se nota que há alunos com dificuldades.

 

Quanto à sala de aula gostaríamos de vos deixarmos uma planta com a respetiva descrição.



 

             As mesas estão dispostas em 3 filas (2 filas com 4 mesas e 1 fila com 3 mesas). A sala usufrui de dois quadros de lousa (A), um quadro interativo (B) e um computador com sistema áudio (C). A sala possui 3 armários (D) onde são guardados diversos materiais, tais como os livros dos alunos, os seus dossiers, materiais didáticos, materiais para atividades de expressão plástica, etc.; tem também uma estante (E) onde se guardam os materiais de Expressões e alguns materiais das AEC’s; junto dessa estante encontra-se uma bancada (F) que serve de apoio para qualquer tipo de atividade e ainda um lavatório (G); ao lado do lavatório encontra-se um cabide (H); podemos também observar vários placares de cortiça (I) dispersos pela sala, os quais se encontram destinados a uma área específica (área do Português, da Matemática, do Estudo do Meio e ainda o Jornal de parede); a sala dispõe ainda de duas mesas para uso das Expressões (J) e uma mesa para a professora (K).
 

Para que a atitude de reciclar surja dentro da sala de aula, os caixotes do lixo são diferentes, sendo uma para os papéis (L), outro para os plásticos (M) dois para o lixo comum (N) e outro para os pacotes dos leites (N1).
 
Nesta sala ainda existe o estrado (O).
 
Algo bastante evidente após a entrada na sala de aula é a luminosidade desta, consequência das muitas janelas existentes (P), tornando-a assim num local agradável.
 
Agora de uma forma mais abrangente gostaríamos de vos falar um pouco sobre a escola em si. Esta tem duas salas de Pré-Escolar e seis salas de aula do 1º Ciclo.

          Relativamente ao espaço físico da instituição, existem cinco blocos, dos quais três são para funcionamento de aulas e dos restantes fazem parte a cantina e uma sala de recursos que funciona também como sala dos professores.

Existem duas bibliotecas bem equipadas, as quais se encontram em dois blocos distintos, sendo que uma delas está aberta à comunidade, uma vez que pertence à junta de freguesia de Santa Joana. A outra biblioteca está aberta apenas à comunidade escolar e situa-se no primeiro bloco.
 
No que respeita ao espaço exterior, podemos dizer que é bastante amplo. Nele está presente um campo de futebol para as crianças usufruírem durante os intervalos. Também verificámos a existência de uma cobertura que liga os dois blocos principais e a cantina, para que os alunos fiquem protegidos da chuva quando circulam entre os edifícios. É também um local escolhido para realizar atividades de expressão motora, como por exemplo jogos. O terreno do espaço exterior é todo arenoso com exceção do campo de futebol que é de cimento.
 
No primeiro bloco, onde localiza a sala do 1º ano, existe uma sala com uma fotocopiadora, recurso para todos os professores.
 
Esperamos que tenham tido uma visão global do contexto onde estivemos a estagiar.
 
Beijinhos e bom trabalho                 

 

Ana Gama e Ana Pereira

tags: , ,

publicado por anagama às 13:41

2

De dominique-carocho a 1 de Janeiro de 2013 às 19:41
Olá meninas.
Considero a vossa caracterização bastante clara e perceptível. Consegui visualizar mentalmente o vosso contexto, sem duvida.
Quando o descrevem, referem aspectos menos positivos e neles referem dificuldades dos alunos. Tendo em conta isto, pensaram em trabalhar com eles algo que os fizesse ultrapassar essas dificuldades interligado com a vossa temática de seminário? Fiquei com curiosidade em saber, dai questionar. Critico construtivamente claro, questiono para pedir explicações sobre algo que sinto curiosidade.
Beijinhos e boa sorte na escrita do relatório final.
Dominique


De anagama a 3 de Fevereiro de 2013 às 15:36
Olá! Agradecemos o comentário e as críticas construtivas são sempre bem-vindas!
Como o nosso projeto foi implementado nas últimas semanas de estágio, tivemos de agir com o intuito de combater os pontos negativos que referimos logo desde o início da nossa intervenção.
Para desenvolver a motricidade fina promovemos atividades de modelagem de plasticina, como por exemplo modelarem a letra aprendida, recortes, colagens e também ilustrações/pinturas; para melhorar a linguagem e a dicção das palavras utilizávamos o reconto de histórias, lengalengas e canções. Estas mesmas canções tinham também como objetivo desenvolver a noção de lateralidade nos alunos. Os recontos, embora não estando ligados diretamente com o nosso projeto de seminário, tiveram uma função preparatória para o mesmo.
No projeto em si, houve reconto e ilustração do espaço e da personagem principal. Nestas atividades trabalhámos a linguagem e a motricidade fina, entre outros aspetos.
Os outros pontos que referimos no post foram trabalhados com chamadas de atenção no decorrer das aulas.
Esperamos quer tenham ficado mais esclarecidas.
Beijinhos


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post