Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2012
Reflexão acerca da atividade "lençol das figuras geométricas" - Ana Gomes e Inês Silva

Olá a todas!

Com este post pretendemos refletir em relação à atividade que apresentamos no post anterior, lençol das figuras geométricas, considerando o resultado efetivo, o resultado espectado e a monitorização da mesma.
A atividade decorreu fundamentalmente como o planificado, os objetivos foram atingidos pela maioria das crianças. Verificou-se efetivamente o esperado, ou seja, as crianças mais novas demonstraram alguma dificuldade em acompanhar os mais velhos, como seria esperado, mas ainda assim, apesar de mais lentamente alcançaram os objetivos propostos. Por sua vez as crianças mais velhas revelaram-se mais implicadas, motivadas e interessadas na atividade.
Como forma de monitorizar esta atividade, criámos uma grelha de avaliação com base numa amostra de seis elementos do grupo de crianças, de diferentes faixas etárias e níveis de desenvolvimento.
Grelha de avaliação da atividade lençol das figuras geométricas

 
Compreendeu as regras
Tempo de resposta
Colocou correta-mente os pés
Colocou correta-mente as mãos
Observações
-  de 60s.
+ de 60s.
Criança A
ü  
ü  
 
ü  
ü  
 
Criança B
ü  
ü  
 
ü  
ü  
 
Criança C
ü  
 
ü  
ü  
ü  
 
Criança D
ü  
ü  
 
ü  
        X
Quando questionada compreende o erro e corrige.
Criança E
ü  
ü  
 
        X
        X
Ainda não domina as figuras geométricas.
Criança F
ü  
 
ü  
ü  
        X
Quando questionada, altera e erra novamente.

 
 Concluímos que foi relevante repetir esta atividade com este upgrade, com isto aprendemos que se podem criar inúmeras atividades diferentes partindo da mesma, conseguindo melhorá-la e adaptá-la às necessidades do grupo de criança a que se destina. Tornasse ainda possível avaliar o desempenho de cada criança em diferentes momentos, o que permite ter a perceção do desenvolvimento de cada uma.
Como foi sugerido por várias colegas no post anterior e considerando também a importância da imagem, segue uma fotografia para que possam perceber melhor como decorreu esta atividade.
Fotografia da atividade:
Beijinhos
Ana Gomes e Inês Silva

tags: , , ,

publicado por isca3534 às 16:58

editado por inessilva às 19:09

2

De anagama a 31 de Dezembro de 2012 às 17:07
Com a leitura deste post, não pudemos ficar indiferentes relativamente ao aspeto de repetição de uma atividade.
No semestre passado, quando estagiávamos num Jardim de Infância, no início do estágio tivemos a perceção de que teríamos de planificar diversas atividades. Neste sentido, planificámos, em duas semanas, dois jogos diferentes. Perante esta situação, a educadora alertou-nos para a importância da repetição de atividades, pois com apenas uma realização as crianças não exploram todas as potencialidades da atividade, não desenvolvem todas as competências possíveis de desenvolver com a mesma e para além disso, para nós educadoras, torna-se complicado avaliar todos os parâmetros que definimos para todas as crianças.
Analisando a situação pela perspetiva das crianças, se estas estiveram implicadas e gostaram de a desenvolver, certamente querem repeti-la.
Desta forma, compreendemos a importância de repetir uma determinada atividade, nomeadamente os jogos. Contudo, consideramos que o facto de alterarmos a atividade, quer seja para a adequar melhor aos níveis de desenvolvimento das crianças ou aos seus interesses, quer seja para elevar o nível de dificuldade com o intuito de desenvolver outras competências nas crianças, é uma mais-valia para as crianças. Desta forma podemos motiva-las ainda mais e torna-las mais implicadas na atividade. As alterações podem ser também de acordo com os temas que se queiram abordar.
Queremos-vos deixar, como exemplo, uma adequação que realizamos: na época da Páscoa queríamos trabalhar as cores, para isso adequamos o jogo do Lenço. Assim sendo, em vez de números, o juiz chamava, por exemplo, “amêndoa verde”; ao som da palavra “Páscoa” os alunos teriam de ficar parados e o som da palavra “Coelho”, todos teriam de se deslocar aos saltinhos até ao juiz.
Beijinhos e bom trabalho,
Lisete e Margarida


De saraneves13 a 3 de Fevereiro de 2013 às 14:04
Boa tarde meninas..

Ao lermos o vosso post, algo que nos chamou atenção foi a grelha de avaliação que apresentaram.
Relativamente a ela, ficou exatamente como vocês a apresentam aqui ou entretanto fizeram algumas alterações?

Estamos a confrontar-vos com isso, uma vez que as nossas grelhas de avaliação foram alvo de criticas por parte da nossa orientadora cooperante da universidade, pois numa fase inicial não apresentávamos qualquer tipo de nível de desenvolvimento, tal como vocês.
Neste sentido, achamos pertinente questionar-vos sobre isso. Não acham que são necessários níveis de desenvolvimento para que a avaliação seja mais justa, do que termos só o "consegue" ou "não consegue" ?

Obrigada pela vossa atenção.
Esperamos uma resposta ;)

Beijinhos*
Cláudia e Sara


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post