Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2012
Novo formato - Planificação da atividade do dia 10/12/12 - Inês Silva e Ana Gomes
Esta publicação é dirigida às colegas que não conseguiram abrir o ficheiro anterior.
 
Neste post apresentamos a planificação de uma das atividades a realizar na próxima semana. A atividade selecionada será uma versão modificada de uma atividade anteriormente realizada, com o propósito de aumentar o seu grau de dificuldade. Na primeira versão desta atividade pretendia-se que as crianças mobilizassem apenas os membros inferiores. Por exemplo: -Colocar os pés em dois triângulos.
No decorrer da atividade (versão I), observou-se que a maioria das crianças com idades compreendidas entre os 4 e 5 anos, realizou a atividade com relativa facilidade, o que motivou para uma reformulação da atividade em questão. Segundo Piaget, o adulto deve continuamente encontrar novas formas de estimular a actividade da criança e estar preparado para adaptar a sua abordagem conforme a criança vai colocando novas questões ou imaginando novas soluções. (HOHMANN E WEIKART, 2009, pág. 32) No entanto, atendendo à heterogeneidade do grupo, foi observado que as crianças com idades compreendidas entre os 2 e 3 anos, necessitaram de mais tempo para a interiorização de regras. Por esta razão o jogo não foi alterado/ adaptado no momento, dando primazia às necessidades das crianças mais novas.
A atividade Lençol das figuras geométricas (versão II) é um jogo que consiste em colocar os pés e as mãos no lençol com figuras geométricas e folhas de outono, seguindo as instruções que quem está a orientar o jogo.
Regras do jogo:
- As regras do jogo são explicadas ao grande grupo;
- O grande grupo é dividido em pequenos grupos de 5/ 4 elementos cada um;
- Ao som da pandeireta as crianças começam a correr à volta do lençol sem o pisar;
- Quando este som é interrompido, as crianças devem parar de correr, manterem-se no lugar e escutar instruções;
- Indicação da ação: - Colocar pés e mãos em determinadas figuras geométricas (ex: colocar as mãos nos círculos e os pés nos retângulos);
- Após a realização da ação, é selecionada uma criança que não pertence ao grupo para juntamente com o orientador verificar se a instrução foi realizada com sucesso;
- Caso seja verificado um erro, a criança  selecionada explica o porquê do erro, tentando corrigi-lo. Se não conseguir pode pedir a ajudar de outro elemento.
- Cada grupo tem a oportunidade de jogar duas vezes.
 
Com esta atividade pretende-se que as crianças:
- Identifiquem algumas das principais formas geométricas básicas/simples; círculo, quadrado, triângulo, retângulo;
- Desenvolvam a discriminação visual de formas, tamanhos e cores;
- Apurarem a memória visual;
- Explorem a coordenação óculo-pedal;
- Desenvolvam o amadurecimento e o controle da tensão (correr, parar);
- Pratiquem jogos infantis, cumprindo regras, selecionando e realizando com intencionalidade e oportunidade as ações características desses jogos.
 
Os conteúdos a trabalhar são:
- Na área da Matemática:
     - Figuras geométricas (Identificação de semelhanças e diferenças entre figuras geométricas).
- Na área Expressão plástica:
     - Formas e cores;
     - Memória visual.
 - Na área da Expressão motora:
     - Motricidade global;
     - Coordenação óculo-pedal.
 
Materiais a utilizar: - Lençol das figuras geométricas; Pandeireta.
Duração: - 35 min.
Avaliação: - Observação direta e diálogo com o grande grupo (balanço da atividade).
 
Concluímos com uma previsão do que poderá suceder com a implementação desta atividade. Na nossa opinião, vai verificar-se um elevado grau de implicação por parte das crianças mais velhas. No que respeita às crianças mais novas, provavelmente terão mais dificuldade em realizar a atividade, já que esta se encontra no limite do conhecimento previamente adquirido e do que ainda não dominam (Zona de Desenvolvimento Proximal). Segundo Vygotsky, a instrução só é boa quando faz prosseguir o desenvolvimento, isto é, quando desperta e põe em marcha funções que estão em processo de maturação ou na ZDP. (FINO, in Revista Portuguesa de educação, pag. 6)
 
Bibliografia
FINO, in Revista Portuguesa de Educação, vol. 14, nº2, pp.  273-291
HOHMANN, M.; WEILCART, D. (2009). Educar a criança. 5º edição. Lisboa; Fundação Calouste Gulbenkian

tags: ,

publicado por isca3534 às 16:16

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post