Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Quinta-feira, 29 de Novembro de 2012
Projeto de investigação-ação no âmbito de SIE A2

 Olá!

 

Neste post pretendo, num primeiro ponto, clarificar qual o eixo estruturador do meu projeto de investigação-ação, explicitando, posteriormente como surgiu a temática específica. Num segundo ponto, esclarecerei que atividades já foram desenvolvidas aquando da implementação do referido projeto, bem como em que fase do mesmo me encontro.

O eixo estruturador do meu projeto de investigação-ação prende-se com a Organização do Processo de Ensino e de Aprendizagem e a Educação em Ciências nos primeiros anos. É de salientar que o foco do meu projeto diz respeito a questões ambientais pelo facto de a turma estar inserida num projeto denominado de eco-escolas. Assim, como temática mais específica, apesar de esta já ter sofrido tremendas alterações atendendo ao facto de a minha colega de díade ter desistido, encontro-me debruçada sobre as temáticas Camada de Ozono e Efeito de Estufa. Um dos objetivos é alertar as crianças para a situação atual em que vivemos, considerando que a Humanidade se encontra a explorar excessivamente os recursos do planeta, e mais rapidamente do que a capacidade que este tem para os regenerar. Desta forma, é esperado que os alunos reconheçam que as nossas ações diárias têm consequências, principalmente, ao nível da intensificação do fenómeno do efeito de estufa e que cada um pode decidir conscientemente o que fazer e que marca deixar no planeta.

Para um melhor entenderem as estratégias que referirei mais à frente, importa clarificar que o meu projeto se orienta segundo linhas socio-construtivistas do ensino das ciências. Segundo Martins e outros (2007), a teoria do construtivismo “releva a importância da implicação mental do indivíduo como agente da suas aprendizagens, pelo que a aprendizagem escolar será vista como um processo de (re)construção desse conhecimento e o ensino como a acção facilitadora desse processo” (p. 24). Sendo que aquilo que os alunos já sabem constitui um fator contraproducente que afeta a sua aprendizagem futura, pois os conhecimentos que estes trazem consigo para a aprendizagem escolar interagem com os conhecimentos científicos que são ensinados na escola.

O trabalho de projeto foi a estratégia que selecionei para a implementação do projeto. Inicialmente, no dia 7 de novembro, realizei uma sessão com vista a recolher as ideias prévias dos alunos no que concerne às temáticas supramencionadas. Considerando que os alunos não detinham quaisquer conceções alternativas face às temáticas, levei a cabo uma sessão posterior, com o objetivo de introduzir os temas de uma forma mais geral. Explicitando a ideia, “apresentei” a atmosfera terrestre aos alunos, clarificando o que é e qual a sua função.

Noutra sessão, distribuí os guiões de pesquisa, previamente elaborados por mim, pelos pares de alunos e, em grande grupo, estivemos a analisá-los, bem como às grelhas de auto e heteroavaliação. Em cada um dos guiões encontravam-se questões orientadoras da pesquisa, de acordo com um dos temas, e alguns sites, previamente selecionados por mim, para a recolha da informação. Nesta sessão ainda foi acordado com os alunos o modo e a data de apresentação dos trabalhos. Nas sessões posteriores, os alunos trabalharam em grupo, de acordo com as orientações que tinham. O meu papel nestas sessões revelou-se, essencialmente, apoiar os alunos no seu processo de recolha e análise da informação.

Na passada terça-feira, dia 27, a realizei uma sessão destinada à organização das apresentações dos trabalhos, uma vez que os pares que trabalharam acerca do efeito de estufa e os pares que trabalharam acerca da camada de ozono tiveram de se coordenar entre si, formando dois grandes grupos, para apresentar o trabalho. Dentro desses dois grandes grupos os objetivos eram distintos e tinham uma ordem lógica, pelo que se revelou mais coerente proceder à apresentação desta forma. Na quarta-feira, os alunos apresentaram os seus trabalhos e na próxima semana procederei à sistematização dos conteúdos e à avaliação das aprendizagens dos alunos. A sistematização assentará, sobretudo, no que diz respeito à Pegada Ecológica e nas medidas e comportamentos que podemos adotar no nosso quotidiano para habitarmos o planeta de forma mais sustentável.

 

Bom trabalho para todas!

 

Tânia

 

 

Referências

Martins, I.; Veiga, M. L.; Teixeira, F.; Tenreiro-Veira, C.; Vieira R. M., Rodrigues, A. V.; Couceiro, F. (2007). Quadros de Referência e Metodologias a privilegiar em Ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico. In Educação em Ciências e Ensino Experimental. Formação de Professores. Martins et al. (2ª edição). Cap. 3, pp. 23-53. Ministério da Educação. Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.


tags: , , ,

publicado por t-soraia às 22:54

De inessilva a 5 de Dezembro de 2012 às 20:00
Olá Tânia,

A escolha do eixo estruturador do teu projeto de investigação - ação "Organização do Processo de Ensino e de Aprendizagem e a Educação em Ciências nos primeiros anos" foi muito bem conseguida, na medida em que teve em conta os projetos de turma eco-escolas ). Quanto mais próximas forem as nossas opções da realidade vivenciada pelos alunos, mais significativas e prazerosas serão as suas aprendizagens.
Possivelmente já mencionas-te o ano de escolaridade das crianças com quem estás a desenvolver a tua prática pedagógica, no entanto, para termos uma visão mais clara e percebermos as tuas opções, seria interessante se pudesses esclarecer alguns pormenores como:
- Qual o ano de escolaridade com o qual estás a realizar a PPSA2.
- Quantas crianças escolhes-te para a amostra.
- O que te levou a escolher essas crianças e não outras (ex: idade, sexo, diferentes níveis de desenvolvimento, etc )

Obrigada e bom trabalho!!
Beijinhos
Inês Silva e Ana Gomes



De t-soraia a 13 de Dezembro de 2012 às 18:11
Olá Ana e Inês!

Concordo quando afirmam que quanto mais próxima dos alunos for a problemática de intervenção, mais sentido terão as aprendizagens a alcançar pelos mesmos e mais prazerosa será a experiência construção do conhecimento.
Como realmente já referi numa publicação anterior, o ano de escolaridade no qual estou a desenvolver a minha prática pedagógica é no 3º ano. Relativamente ao número de crianças selecionadas para a amostra, optei por escolher todo os alunos da turma, que são dezanove, uma vez que, a meu ver, não faria sentido selecionar apenas uns e não outros.
Os alunos têm idades compreendidas entre os 7 e os 9 anos, considerando que uma aluna ficou retida.

Espero ter respondido às vossas questões!

Bom trabalho!

Tânia


De Inês Silva e Ana Gomes a 14 de Dezembro de 2012 às 20:10
Olá Tânia,

Obrigada pelo post, foi elucidativo! É interessante o facto de existirem crianças de idades tão dispares na mesma sala.

Beijinhos e bom trabalho!
Inês Silva e Ana Gomes


Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados



Email

Password


Este Blog tem comentários moderados


Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários