Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Terça-feira, 27 de Novembro de 2012
Projetos de Investigação - Intervenção_SIE

  Olá a todos!

 

Neste post gostaríamos de partilhar o trabalho que temos vindo a desenvolver no âmbito dos nossos projetos de investigação-intervenção. 

Os temas inerentes a ambos os projetos são a Organização e Gestão do Processo de Ensino e de Aprendizagem e a Educação em Ciências. 

O processo de organizar e gerir o ensino e a aprendizagem requer um profissional de educação capaz de fazer com que alguém aprenda alguma coisa. Este processo envolve três vertentes fundamentais - planificação, implementação e avaliação – que requerem um profissional de educação que conceba estratégias de ensino de qualidade adequadas à diversidade de crianças e às necessidades do contexto (Despacho n.º 16034 de 22 de Outubro de 2010, Padrões de Desempenho Docente; Santos, 2007; Roldão, 2009).

Relativamente à Educação em Ciências esta emerge do projeto do Agrupamento de Escolas de São Bernardo que integra o contexto educativo no qual estamos inseridas - Jardim de Infância do Griné.

Neste sentido, concebemos estratégias de ensino que visam intervir na Educação em Ciências no Pré-Escolar através do desenvolvimento de uma sequência didática e da exploração de um recurso didático acerca da temática do Ar e Voo, respetivamente. Pretende-se em ambos os projetos averiguar as conceções alternativas das crianças acerca das temáticas supracitadas bem como, as aprendizagens ao nível dos conteúdos, capacidades, atitudes e valores realizadas após a implementação dos mesmos.

Iniciámos as intervenções relativas aos projetos no dia 13 de novembro. Realizámos quatro sessões que permitiram às crianças a exploração das caraterísticas físicas do ar. Posteriormente, iremos realizar três sessões que possibilitem a exploração do voo e de diferentes objetos voadores (aviões de papel e paraquedas).

Bom trabalho!

Sónia e Cristiana


tags: , , , , , , ,

publicado por soniamaia às 17:53

De anaafonso a 30 de Novembro de 2012 às 01:06
Olá Sónia e Cristina!
Em primeiro lugar gostaríamos de vos dar os parabéns pela ousadia da escolha da temática Ar e Voo, uma temática pouco explorada, mas ainda assim que suscita a curiosidade de muitas crianças. Contudo questionamo-nos relativamente à sua pertinência no vosso contexto, pois, apesar de afirmarem que estas temáticas emergem do projeto do agrupamento de escolas das crianças, não clarificam se observaram algum interesse sobre a mesma no grupo, ou em algumas crianças, justificando a sua abordagem e exploração.
Outro aspeto que gostaríamos de focar é referente à afirmação que fazem, quanto às vertentes do processo de organização e gestão da aprendizagem. Apenas referem a planificação, a implementação e a avaliação, contudo, segundo o nosso ponto de vista e a nossa anterior intervenção no ensino pré-escolar, a observação é uma vertente fundamental em todo e qualquer processo educativo. Estrela (1994: 21) citado anteriormente pela Ana e pela Dominique afirma mesmo que “não é possível qualquer intervenção, minimamente fundamentada do ponto de vista científico, se não conhecermos com objetividade a realidade em que pretendemos intervir.”. Deste modo gostaríamos de saber se estão a utilizar algumas técnicas de observação e se sim quais e com que foco.
Por fim, e uma vez que este espaço pretende que nos ajudemos a melhorar umas às outras e a reformular a nossa forma de pôr por escrito os nossos sentimentos e reflexões, gostaríamos que refletissem melhor na expressão que empregaram para explicitar o papel do educador no ensino/descoberta das ciências - “capaz de fazer com que alguém aprenda alguma coisa”. Parece ter uma conotação um pouco pejorativa, encarando a criança como um simples alguém. Para transmitir a mesma ideia poderiam ter utilizado a expressão “capaz de potenciar a construção do conhecimento e o desenvolvimento de capacidades, atitudes e valores”.
Ficamos à espera de novidades sobre a implementação do vosso projeto, sobre as reações das crianças e, especificamente, sobre as atividades desenvolvidas no âmbito da temática.
Continuação de bom trabalho, aproveitem estes últimos momentos…
Ana Catarina Sousa e Alexandra Ramos


De cristiana-amorim a 4 de Dezembro de 2012 às 17:46
Olá Ana Catarina e Alexandra!

Pretendemos com este comentário responder às questões que nos colocaram relativas a este post.
Relativamente à pertinência dos nossos projetos no contexto em questão, importa referir que as temáticas, para além de terem surgido do projeto do agrupamento relacionado com as Ciências, foram dialogadas com as orientadoras da UA e cooperante sendo que esta última referiu as mesmas como passíveis de abordar com o grupo de crianças. Como tal, dado que estes temas já foram definidos no semestre passado e não havíamos contactado com as crianças até então, apenas nos pudemos basear no conhecimento que nos tinha sido comunicado.
Focando-nos agora na segunda questão colocada, é esperado que antes de qualquer intervenção com as crianças haja um processo de observação que nos permita recolher dados sobre o contexto e o grupo para podermos adequar as nossas intervenções em função das necessidades e interesses dos mesmos. No entanto, e para além disto, é desejável que a observação decorra durante todo o processo educativo.
Na fase de observação utilizámos grelhas de observação com questões pré-definidas que se pretendiam respondidas no final da mesma. A utilização destas grelhas permitiu-nos uma melhor caraterização do contexto educativo.
Na fase de intervenção recorremos ao uso de grelhas de avaliação das aprendizagens das crianças, ao nível dos conteúdos, capacidades, atitudes e valores, que vão sendo preenchidas a cada intervenção. É expectável que as crianças não possam ser avaliadas todas ao mesmo tempo e nas mesmas atividades sendo a avaliação um processo contínuo.
No que respeita à expressão utilizada para explicitar o papel do educador no processo de ensinar e de aprender concordamos com Roldão (2009) que define ensinar como o “desenvolver de uma ação especializada, fundada em conhecimento próprio, de fazer com que alguém aprenda alguma coisa que se pretende e se considera necessária” ( p.14-15).
Este alguém é entendido como uma pessoa, neste caso, uma criança. Quando referem a expressão “capaz de potenciar a construção do conhecimento e o desenvolvimento de capacidades, atitudes e valores” pretendem que estes se construam e desenvolvam em quem? Em alguém!
Esperamos ter sido esclarecedoras.
Bom trabalho!
Sónia e Cristiana

Referências Bibliográficas:
- Roldão, Mª. C. (2009). Estratégias de Ensino: O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.


Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados



Email

Password


Este Blog tem comentários moderados


Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários