Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Segunda-feira, 9 de Dezembro de 2013
Projeto de Intervenção "À descoberta do Mundo"

 

 

Olá caro grupo!

Neste post queremos apresentar o nosso projeto de intervenção relativo à unidade curricular de Seminário de Intervenção Educacional A2 (SIEA2), tendo como temas fulcrais a Sensibilização à Diversidade Linguística e Cultural (SDLC) e a Educação para a Cidadania/ Direito à Comunicação (EC/DC).

A nossa prática pedagógica durante as intervenções semanais de responsabilidade individual (última fase) está totalmente envolvida no projeto de intervenção que estamos a desenvolver, não sendo esquecidos os interesses e motivações das crianças, pois todo este projeto é organizado consoante as ideias delas, ideias essas que foram discutidas entre todos na primeira semana de desenvolvimento do projeto.

O nosso trabalho de projeto é constituído por cinco semanas (três sessões em cada semana). Em cada semana é explorado/trabalhado um país diferente (Egito, Brasil, França e Guiné-Bissau), sendo que estes quatro países estão relacionados com o grupo de trabalho. As atividades realizadas em cada semana de intervenção são idênticas para todos os países tendo como atividades a exploração dos costumes e gastronomia de uma forma específica; trabalho de pesquisa realizado pelas crianças de forma a perceberem qual a realidade desse país para posteriormente construir a maquete com os conhecimentos adquiridos com a visualização dos vídeos e imagens; dança típica executada com acessórios caraterísticos da cultura e atividade linguística. No entanto, existe uma atividade (realizada sempre à terça feira de manhã) que não é comum no trabalho realizado, como exemplos temos:

- Egito: os diferentes percursos de Portugal até ao Egito; que transportes utilizar;

- Brasil: os animais em vias de extinção e as causas da sua extinção;

- França: as diferenças/semelhanças entre os jardins-de-infância (Portugal) e école maternelle (França);

- Guiné-Bissau: em desenvolvimento.

Para avaliação dos resultados do nosso projeto temos como instrumentos de recolha de dados a videogravação, notas de campo e grelha de avaliação das atividades preenchida por cada elemento do grande grupo com o auxílio da díade e entrevistas que irão ser feitas às crianças na última semana de projeto de intervenção (próxima semana).

 

 

Beijinhos e continuação de um bom trabalho :)

 

Gisela Silva e Inês Alves 



publicado por ines-luciana às 19:55
15

Projetos "À descoberta de Portugal" e "À descoberta do Mundo"

 

 Olá meninas  :)

O nosso projeto de intervenção referente à unidade curricular de Seminário de Intervenção Educacional A2 (SIEA2), teve como auxílio a criação da atividade “À descoberta de Portugal”, sendo uma maneira das crianças partirem do país onde vivem (Portugal) e também surgiu a partir do interesse das crianças em conhecer melhor Portugal, para o mundo (conhecer países de diferentes continentes). As atividades “À Descoberta de Portugal” e “ À Descoberta do Mundo” foram realizadas uma vez que os temas fundamentais deste projeto são a Sensibilização à Diversidade Linguística e Cultural (SDLC) e a Educação para a Cidadania/ Direito à Comunicação (EC/DC).

Nas atividades relacionadas com o projeto “ À Descoberta de Portugal”, inicialmente foi explorado com o  grupo o mapa de Portugal e as cidades que eles já conheciam (de ouvir falar / ter visitado). Posteriormente foram abordadas quatro cidades de Portugal, nomeadamente Porto (por ser uma cidade bastante conhecida e pertencer ao Norte – Litoral), Guarda (pelas diferenças atmosféricas e pertencer ao Interior), Lisboa (por ser uma cidade bastante conhecida e por ser a capital) e por fim Faro (por pertencer ao sul). Também surgiu o interesse por parte das crianças em abordar a cidade de Aveiro (cidade onde residem) e a vila de Baião (interesse por parte de umas das crianças- familiares).

Dentro de cada cidade foram abordadas as seguintes categorias:

- Gastronomia típica;

- Fruta típica;

- Doçaria típica;

- Casas típicas;

- Estádios de futebol;

- Rios / Pontes;

- Monumentos históricos.

 

Através destas categorias e da exploração das imagens, foram realizados jogos que permitiram avaliar os conhecimentos adquiridos, por exemplo a mistura das imagens de cada categoria tendo as crianças que fazer a ligação imagem- cidade/vila.

Após essa avaliação dos conteúdos, as crianças com o auxílio da educadora, organizaram toda a informação numa tabela sendo assim melhor a sua visualização, sendo iniciado depois o projeto de intervenção “À Descoberta do Mundo”.

 

 

Beijinhos e continuação de um bom trabalho:)

Gisela Silva e Inês Alves



publicado por ines-luciana às 19:52
8

Projeto Bilingue
Boa noite meninas.

Hoje vimos partilhar convosco a nossa participação no projeto Bilingue que está a ser desenvolvido no contexto onde estamos a realizar a nossa prática pedagógica.

O projeto consiste na implementação do inglês nas aulas de estudo do meio, ou seja, os conteúdos programados para estudo do meio são dados em inglês.

No início da nossa prática sentimo-nos receosas uma vez que não dominamos este língua. Mas ao longo das nossas intervenções, os nossos receios foram desaparecendo pois tivemos sempre o apoio da nossa professora cooperante e da professora de inglês, que acompanha os alunos 1 hora por semana.
As nossas intervenções nas aulas de inglês consistiam na revisão da aula dada no dia anterior pela professora de inglês, que por vezes nos fornecia alguns materiais para a nossa aula.

Neste momento, ao refletirmos sobre o nosso percurso neste projeto, conseguimos perceber que este foi para nós uma mais-valia, visto que este implicava um estudo sobre os conteúdos que íamos apresentar. Deste modo, acabamos por relembrar algumas aprendizagens que fomos esquecendo com o decorrer do tempo.

No nosso ponto de vista este projeto apresenta algumas desvantagens. Uma delas prende-se com o facto de a nossa professora cooperante ter de dar 6 horas semanais de inglês mesmo não tendo formação nesta área. Outra desvantagem que identificamos corresponde à sobreposição de horários. Este projeto acaba por ocupar todas as horas programadas para a área das expressões, ou seja, as crianças não têm oportunidade de se desenvolverem nesta área. Por último, achamos que os conteúdos de estudo do meio deveriam de ser primeiro transmitidos em português e só depois em inglês. Contudo o projeto prevê que os conteúdos sejam dados apenas em inglês.

Relativamente às vantagens, para os alunos este projeto é positivo, na medida em que estes podem contactar com uma nova língua que será essencial para o seu futuro.

O que acham deste projeto? Concordam com as vantagens e desvantagens que identificamos?
Têm algum projeto deste género no vosso contexto? Participam em algum projeto?

Beijinhos e continuação de bom trabalho
Ana Vivas e Sabrina Duarte
tags:

publicado por ana-vivas às 19:52
4

A minha reflexão intermédia

Olá meninas : )

Venho-vos apresentar alguns dos aspetos que referi e refleti ao longo deste tempo de intervenção e que fazem parte da minha reflexão intermédia.

A primeira fase é uma mais-valia para que a fase de intervenção (fase seguintes) corra bem, pois esta primeira fase é de integração e adaptação, tanto para nós (díade) como para todas as crianças.

Na segunda fase (fase de intervenções intencionalizadas) iniciámos a realização das planificações, ao qual decidimos executá-las em conjunto, uma vez que a nosso ver é bastante importante como trabalho colaborativo. Este trabalho de equipa só nos traz vantagens, existe a troca de ideias, a interajuda, o render do tempo e assim conseguimos organizar todas as tarefas da melhor forma para ambas.

No que diz respeito às planificações/atividades, trabalhamos muito em torno do conhecimento do mundo, o que não implica que não se abordem as outras áreas de conteúdo, muito pelo contrário, temos como objetivo relacionar todas as áreas existindo assim interdisciplinaridade e que as atividades sejam contextualizadas e não surjam sem sentido.

Ao longo destas nove semanas de intervenção, como era de esperar, já consigo refletir sobre o meu percurso, desde as planificações às atividades realizadas, como da forma como decorrem os momentos em sala, a minha postura, a minha relação com as crianças como à gestão do tempo dispensado para cada momento e cada atividade. Todo este processo de reflexão ajuda-nos a melhorar como “educadoras”, uma vez que conseguimos identificar os aspetos positivos, os negativos, os que devemos melhorar, as estratégias adotadas …

Em relação às intervenções, é verdade que inicialmente ia muito receosa, mas ao mesmo tempo com vontade de trabalhar e mostrar que escolhi o curso certo. Todo o receio e nervosismo eram provocados pelos resultados que obtive na minha primeira prática (1º Ciclo do Ensino Básico). No entanto, ao longo desta intervenção (Pré-escolar) senti que todos esses estados menos bons para uma boa intervenção iam diminuindo e assim foi possível criar uma postura mais segura e confiante (não querendo dizer que não tenho lacunas como “educadora”, sei perfeitamente que tenho de continuar a trabalhar para melhorar a cada dia que passa). Sem dúvida, que a firmeza é um aspeto que nós devemos ter sempre em consideração, transmitindo o respeito pelo grupo, para que este consiga transmitir o mesmo.

Um aspeto que na minha opinião foi melhorado, tanto por mim pela minha parte como pela minha colega de díade, foi o cumprimento de horários. Inicialmente, passávamos imenso tempo na manta, o que fazia com que as crianças ficassem impacientes e acabavam por se desconcentrar e perturbar pelo “aborrecimento” que sentiam.

Na minha opinião o trabalho de díade é muito vantajoso e gratificante, uma vez que existe a interajuda. O facto de eu e a Gisela Silva planificarmos juntas e apoiarmo-nos mutuamente é fulcral para uma boa prática e sobretudo para ultrapassar momentos menos bons e que nos prejudicam emocionalmente; é sem dúvida uma ajuda. O trabalho com a orientadora cooperante também é essencial para a nossa evolução, tanto na sala como no em “trabalho de casa”, ela é muito presente, ajuda-nos dá-nos o feedback das nossas planificações e intervenções, se tivermos dúvidas é bastante esclarecedora dando-nos sempre que necessário ideias para tornar as atividades mais interessantes.

 

Beijinhos e continuação de um bom trabalho :)

Inês Alves



publicado por ines-luciana às 11:54
8

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários