Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012
Gestão de conflito - Inês Silva e Ana Gomes

Olá!

Achámos importante partilhar com vocês uma situação de gestão de conflitos que sucedeu esta semana. A estratégia da educadora pareceu-nos muito interessante e eficaz, no entanto se fossemos nós a resolver a situação, devido à nossa inexperiência, poderiam surgir muitas dificuldades.

Estava a decorrer uma atividade de grande grupo quando um dos meninos chamou a uma colega “cabeça de porco”. Nesse momento os adultos da sala não se aperceberam do sucedido, só se deram conta quando a menina a quem foi dirigido o comentário começou a chorar. Quando questionada acerca do motivo pelo qual estava a chorar, a criança respondeu -“Ele chamou-me cabeça de porco”. Primeiramente a educadora focou a sua atenção na menina, perguntando-lhe se ela achava que tinha cabeça de porco, ao qual a menina respondeu negativamente. Desta forma a educadora conseguiu que a criança parasse de chorar e percebesse que aquelas palavras não tinham fundamento. Com o ambiente mais calmo, focou a sua atenção no menino que ofendeu, dizendo  –“achas mesmo que ela tem cara de porco?, sabes o que é uma cara de porco? Ela tem orelhas e focinho de porco?” às quais ele respondeu sempre negativamente. Posto isto, a educadora decidiu alargar estas questões ao grupo, recorrendo à capa do livro “Os três porquinhos”, passando-o por todos. No final colocou a questão “o que acham? A cara dela (menina) é parecida com a cara dos porquinhos desta história?” e todos responderam que não. De forma prática e adequada às crianças, a educadora proporcionou um momento de reflexão fundamental para a desconstrução da afirmação do menino, demonstrando a incoerência de tal atitude. 

Já vos aconteceu algo semelhante que queiram partilhar? Ou têm outra sugestão para a resolução do conflito.

Beijinhos

Inês e Ana


tags: ,

publicado por isca3534 às 19:21

editado por inessilva em 20/11/2012 às 18:51

9

De soniagfsantos a 18 de Novembro de 2012 às 13:27
Olá meninas,
realmente há coisas que aprendemos com a experiência... Gostei muito da forma como a educadora lidou com a situação porque conseguiu explicar de forma lógica às crianças o porquê desse comentário não fazer sentido, refletindo, não só com os intervenientes, mas com o grupo todo. Continuação de boa prática!
Sónia S.


De filipa-queiros a 18 de Novembro de 2012 às 14:50
Boa tarde :)
É de facto importante aprendermos com boas práticas e falar com as crianças de forma calma, clara e sincera é crucial para que as crianças se sintam compreendidas e respeitadas.
Continuação de boa prática,
Filipa


De sara-alves a 19 de Novembro de 2012 às 00:03
Boa noite meninas!
Foi sem dúvida alguma uma muito boa abordagem perante a situação que ocorreu. Gostei muito e espero lembrar-me desta vossa partilha num próximo conflito que ocorra na sala de Jardim de Infância onde estou a desenvolver a minha prática pedagógica.

Na minha opinião, algo que eu faria, pois já tive a possibilidade de colocar em prática, seria a primeira abordagem, "perguntando-lhe se ela achava que tinha cabeça de porco", mas todo o resto nunca me passaria pela cabeça, muito menos o facto de pegar no livro infantil "Os três porquinhos" e através da sua exploração resolver o conflito.

Espero, muito sinceramente, que consigamos atingir rapidamente a experiência necessária para conseguirmos ter este tipo de reação perante situações destas que se tornam numa dor de cabeça para nós neste momento da nossa vida. :)

Obrigada pela partilha. A informação aqui partilhada não será, de certeza, esquecida nos nossos futuros dias de estágio, assim como, de um modo geral, no nosso futuro profissional.


Beijinhos e bom trabalho
Sara


De amramos a 30 de Novembro de 2012 às 11:29
Olá Inês e Ana!
A abordagem da educadora é, de facto fantástica, no sentido em que relativiza a acusação do menino e a “desfundamenta” perante todos!
Apenas introduziríamos a questão de ser importante a criança verbalizar o que sentiu ao ser chamada “cabeça de porco”, podendo a educadora questionar “Gostaste quando ele te chamou cabeça de porco?” Assim, todos ficariam a saber que aquele comportamento magoa o outro.
Bom trabalho!
Alexandra e Ana Catarina


De ana-pombeiro89 a 4 de Dezembro de 2012 às 20:36
Olá meninas!

A meu ver a atitude da educadora é resultado da prática que já tem e, como vocês disseram e muito bem, se fosse uma de nós a resolver a situação teriam surgido de certeza bastantes dificuldades.
A atitude que a educadora tomou em relação à menina, ao menino e ao grupo de crianças em geral foi a correta e pela vossa descrição resultou e muito bem.

Continuação de bom trabalho!

Ana Pombeiro


De silva-santos a 10 de Dezembro de 2012 às 22:24
Olá meninas!
Não, de facto tal não nos aconteceu... O máximo que já nos aconteceu é uma das crianças chamar "chinesa" a uma criança oriunda da china, ainda que nascida em Portugal. Mas, tal como no vosso caso, com uma pequena intervenção por parte de um adulto, tudo regressou à normalidade, pois somos todos iguais, mas todos diferentes e é fundamental que as crianças aprendam a saber respeitar as diferenças.


Obrigado por partilharem a vossa gestão de conflitos connosco.


Continuação de boas práticas.


Beijinho,
Ana Cláudia


De filipa-almeida a 29 de Dezembro de 2012 às 19:40
Olá meninas!
Sem dúvida alguma que é importante partilharmos experiências que cada uma de nós vivencia ao longo do nosso estágio.
Foi interessante a atitude da educadora na resolução do conflito entre as crianças. Esta não se limitou a repreender a criança mas, proporcionou um momento de reflexão com todas as crianças, levando-as a concluir que aquela atitude não foi a mais correta.
Considero a partilha desta experiência positiva na medida em que na minha opinião, foi uma boa estratégia que no futuro poderá servir para aplicar numa situação identica.
Obrigada pela partilha, estamos sempre a aprender!!!
Bom trabalho
Beijinhos***
Ana Filipa Fernandes



De analisete a 31 de Dezembro de 2012 às 17:18
Olá meninas.
Consideramos que a estratégia aplicada pela educadora foi sem dúvida a mais adequada. Tal como a Sara disse, nós também começaríamos por perguntar à criança se ela tinha cara de porco, mas não nos lembraríamos de ir procurar um livro para esclarecer isso. O mais importante foi o facto da educadora não se limitar a chamar a atenção da criança para o nome que ela chamou, mas sim estender ao grupo essa questão e assim proporcionar uma partilha de conhecimentos.

Continuação de bom trabalho!
Beijinhos

Ana Lisete e Ana Margarida


De analisete a 31 de Dezembro de 2012 às 17:20
Olá meninas.
Consideramos que a estratégia aplicada pela educadora foi sem dúvida a mais adequada. Tal como a Sara disse, nós também começaríamos por perguntar à criança se ela tinha cara de porco, mas não nos lembraríamos de ir procurar um livro para esclarecer isso. O mais importante foi o facto da educadora não se limitar a chamar a atenção da criança para o nome que ela chamou, mas sim estender ao grupo essa questão e assim proporcionar uma partilha de conhecimentos.

Continuação de bom trabalho!

Beijinhos

Ana Lisete e Ana Margarida


Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post