Blog da UC de Gestão de Comunidades de Aprendizagem online
pesquisar neste blog
posts recentes

Balanço final do trabalho por projeto

Balanço do Projeto de Intervenção

Balanço Geral

As decorações do Natal

Reflexão Intermédia

O Diário de Turma e o Conselho de Turma!

A importância do estágio supervisionado para a formação de professores

Alguma angústias e preocupações durante a prática pedagógica

Estratégias !

Momento de autonomia das crianças

arquivos

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

participar

participe neste blog

Sexta-feira, 26 de Outubro de 2012
Halloween

Olá educadores ...

Espero que as vossas intervenções estejam a correr da melhor forma.

A próxima semana terá muitas emoções .. Não é verdade?

A nossa (minha e da Sara) terá algumas traquinisses e ainda acabará com um docinho para deixar as crianças curiosas para saberem um pouco mais da origem do Halloween.

Como será a vossa?

 

Cumprimentos a todas,

Cláudia Rosa



publicado por claudia-rosa às 18:44

10

De dominique-carocho a 29 de Outubro de 2012 às 16:50
Boa sorte nessas traquinices!
Tenho a certeza que ideias não vos faltam.
beijinhos* *


De mjoao a 30 de Outubro de 2012 às 13:19
Parabéns pela iniciativa. Já temos gente a mexer e, portanto, a quebrar o gelo (no que respeita à utilização da ferramenta de comunicação).
Quanto ao conteúdo, a mensagem inicial poderia ser completa. Indicam que tema vão trabalhar e uma estratégia para motivar os pequenitos. Fica a questão do como e porquê. Ou seja, o vão fazer (trabalhar o tema) e com finalidades?
O feedback das colegas é de encorajamento, portanto, adequado para criar o sentimento de comunidade. Podiam colocar questões, fazer sugestões...
Voilà!


De mjoao a 30 de Outubro de 2012 às 13:29
Vamos a questões e sugestões. Não sendo o Halloween uma tradição nossa, seria de pensarmos porque abordar e sinalizar a data? Qual a relevância educativa de atividades relacionadas com o tema? Quando falei pelas colegas, apercebi-me que a contextualização poderia ser a interculturalidade, convinha aprofundar este aspeto . Sugeri que podiam aproveitar para desenvolver espírito crítico nas crianças no que respeita à relevância de se festejar o Halloween que não é tradição nossa. Digam da vossa justiça!


De t-soraia a 31 de Outubro de 2012 às 15:01
Olá meninas! :)

Eu bem que senti o cheirinho a doce. Eram vocês que estavam a fazer bolinhos com os meninos? ;)

A minha intervenção esta semana não se concentrou muito no Halloween. Estando no 1º ciclo (3º ano), existem indicações mais rígidas para cumprir, nomeadamente, as fichas de avaliação. O trabalho que desenvolvi esta semana centrou-se essencialmente em fazer revisões acerca da matéria lecionada até então.

Ainda assim, não deixei passar em branco esta data. Nem as crianças, claro!! Como é um tema que, normalmente, desperta interesse, decidi focá-lo na "Hora do Conto". A história selecionada foi "A bruxa arreganhadentes" e, tenho a dizer-vos, as crianças gostaram bastante! ;)

Boas práticas,

Tânia Veloso


De mjoao a 6 de Novembro de 2012 às 20:26
Olá.
O comentário da Tânia, sobretudo de encorajamento e informativo, deixou-me várias inquietações e interrogações. Não as partilho já para dar-vos a possibilidade de a interpelarem primeiro. Relembro, no entanto, que o objectivo comum é reflectir sobre as actividades em curso na prática pedagógica. Digam de vossa justiça.
MJL


De Cláudia Rosa a 6 de Novembro de 2012 às 22:08
Olá.
Apesar de ser sempre um pouco difícil explicar às crianças a origem do Halloween, visto que fala acerca de pensamentos que as pessoas tinham sobre a vida para além da morte, penso que é importante as crianças perceberem o porquê desta data. Talvez com crianças mais velhas seja um pouco mais fácil.
Mas também sou de acordo que não se deve passar este dia em branco, pois é algo que todas as crianças querem festejar pelos fatos, pelos doces e muitas travessuras que se podem imaginar.

Boas práticas,
Cláudia


De mjoao a 27 de Novembro de 2012 às 19:35
Viva!
No passado dia 30 de outubro deixei no meu comentários, várias questões provocatórias que não sei se tiveram algum eco. Da leitura dos comentários que se seguiram talvez até se possa inferir que para a vossa geração festejar o Halloween constitui já uma tradição (o que eu questiono, uma vez que 20-30 anos atrás não havia Halloween por estas bandas). A Claúdia até comenta que se deve assinalar o dia porque as crianças gostam de festejar o dia pelos fatos, doces... Será que todas concordam com esta argumentação? Para ver se fomento a polémica aqui fica a ligação para uma notícia recente que dá para pensar ou não... http://lifestyle.publico.pt/artigos/313190_porque-devem-os-pais-por-os-filhos-a-chorar.
A meu ver e concordando que os pais são os principais responsáveis pela educação dos filhos, as necessidades que o autor aponta também devem ser acauteladas pelos professores e educadores de infância. Que dizem?
MJL


De Cláudia Rosa a 2 de Dezembro de 2012 às 17:09
Boa tarde,

após a leitura do artigo sugerido, compreendi a ideia da professora. De facto, não é só pelo que os ouros fazem que nós o devemos fazer. E esse é um dos ensinamentos que se deve passar às crianças.
Contudo, não poderemos encarar esta tradição que não é nossa para nos enriquecermos culturalmente e tomarmos conhecimento de outras realidades?

No fundo, foi isso que quisemos que as crianças aprendessem, visto que, muitas delas festejam o Halloween sem saber o porquê.

Entendem o nosso ponto de vista?

Bom trabalho!
Cláudia e Sara


De coutinho-pereira a 31 de Janeiro de 2013 às 16:34
Ainda não tinha lido todos os comentários deste post e devo dizer que depois de lê-los e de ver também o artigo sugerido pela professora tinha que comentar =)
Realmente, penso que é uma situação um pouco ambígua.
Por um lado, julgo que esta tradição, não sendo nossa, pode ser celebrada servindo de mote ao trabalho sobre culturas. Considero que este trabalho é importante, pois ao conhecerem diferentes culturas aprenderão, entre outras coisas, a respeitar a diferença, e por isso fomenta-se o respeito pelo outro, seja o outro quem for.
Contudo, também acho que como educadores devemos questionar sempre, sobretudo questionar-nos a nós próprios, perguntando sempre "porque é que vou fazer assim em vez de fazer assado? Será que é melhor assim ou assado? E porquê?".
Neste caso, perguntaria às minhas colegas qual o objetivo de festejarem o Halloween, para trabalhar uma cultura diferente? Porque as crianças demonstraram curiosidade? Ou por outros motivos?
Coloco uma questão, em relação ao Halloween e mesmo em relação a outras festividades, como o dia da mãe e do pai, Será que faz sentido para um educador assinalar e festejar estas datas? Porquê fazê-lo? Porque é tradição e todos o fazem?
Eu penso que só podemos decidir quando estamos num contexto específico, percebendo se faz ou não sentido, e optando por estratégias adequadas, se for ao encontro dos interesses e necessidades das crianças. Mas atenção, ir ao encontro dos interesses das crianças não é fazer tudo o que elas querem, mas sim estimular nelas aquilo que deve ser estimulado.
Penso que é importante o que diz Neufeld no seu artigo. Enquanto o lia foi quase como uma retrospetiva pelo meu percurso, pois uma das minhas maiores reflexões neste ano de estágio que terminou foi sobre a autoridade e o papel do professor. E dentro deste assunto pensei especificamente sobre a importância de dizer não, tendo em conta situações da prática: “Muitas vezes é necessário, diria mesmo, muito importante, dizer não. Pela sua vida social, pessoal e profissional, as crianças (futuros adultos, futuros cidadãos), encontrarão muitas contrariedades, e o não é fundamental para que compreendam que nem sempre podem ter ou fazer aquilo que desejam, até porque nem sempre o que desejam é o mais adequado, apesar de por vezes ainda não o saberem. Estão ainda a aprender a ser, entre outras coisas, a estar, a agir, a interagir. Tal como nós, que também continuamos a aprender a ser, pessoas e educadores. Na prática, sentimos frequentemente a necessidade de lhes dizer não. Quando surge algum conflito; quando iniciam uma birra devido a alguns sentimentos que ainda não sabem canalizar da melhor forma; quando querem realizar alguma ação pouco oportuna, como ir à casa de banho nos momentos de grande grupo para escapar às atividades, ou a dificuldade em ouvirem cada um na sua vez. São algumas das situações em que, por vezes, temos de dizer não. Alguns lidam melhor com ele do que outros, mas pretendemos que aprendam a faze-lo cada vez melhor.” (retirado da minha reflexão intermédia do último semestre)
Qual a vossa opinião sobre esta ideia? Acham que o não é importante? Porquê?

Esta ideia não significa que não concordo que se festeje esta data, assim como outras. Acho é que depende de muitos fatores, e deve haver alguma razão.
Gostaria de saber melhor o que fizeram com os vossos meninos, o que conversaram com eles, que atividades lhes propuseram e como correram?

Continuação de boas reflexões,
Joana


De claudia-rosa a 2 de Fevereiro de 2013 às 10:42
Bom dia Joana.

Devemos dizer que o teu comentário foi muito pertinente e que demonstra alguma maturidade como educadora.

De todo que consideramos um "não" muito importante. Como tu própria referiste, as crianças ao longo da vida vão-se deparar com muitas contrariedades e situações que podem não gostar, mas às quais não poderão fugir, como por exemplo assistir a uma aula da disciplina que menos gosta durante algumas horas. Pronto ... Talvez este exemplo não seja o melhor, visto que aí também é a nossa atitude de professor que está em causa, devendo-nos esforçar para dinamizar a aula de forma a motivar as crianças. No entanto, há sempre situações que não agradam tanto a todas as crianças e é aí que uma contrariedade vai estar presente. Afinal de contas, "a vida não é um mar de rosas", não é verdade? Mas, ao longo da nossa vida vamo-nos apercebendo que, bons ou maus, todos os momentos são importantes. Devemos sempre ver o lado positivo das coisas, nem que estes sirvam apenas para aprendermos e amadurecermos.

Contudo, considerámos importante aproveitar este interesse das crianças pelo halloween e por tudo o que envolve esta época para introduzir o nosso projeto de intervenção que se prendia com alguma sensibilização à diversidade linguística e cultural.

Relativamente às atividades que realizámos no âmbito desta temática, fizemos primeiramente uma apresentação em power point em que pudemos também estabelecer um diálogo com as crianças sobre a origem do halloween, aproveitando esta também para observarmos um mapa para localizamos o país de origem desta data festiva (EUA).
Para além disso, foi aqui que também frisámos o facto desta festividade não ser tradicional do nosso país. O que aconteceu realmente foi que considerámos algumas das suas tradições divertidas e acabámos por as adaptar e "copiar".
Outra das aividades que proporcionámos foi também uma sensibilização ao uso das máscaras e outros adereços que fazem parte do Halloween. Como temos consciência, muitas crianças se assustam com as máscaras usadas e com outros elelmentos caraterísticos desta data, como é o exemplo das aranhas, dos esqueletos, dos acastelos assombrados. Assim, levámos até às crianças alguns adereços para que as crianças pudessem manipular de forma a se aperceberem que são apenas objetos e que por trás de uma máscara existe uma pessoa como eles.

Posto isto, esperamos que tenhamos respondido às vossas questões.
Obrigado pela vossa interação.

Continuação de um bom trabalho,
Cláudia e Sara



Comentar post

Autores
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
17
19

24
25
26
27
28

29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post